As ferrovias representam um dos capítulos mais importantes e marcantes da história bauruense, e os trabalhadores que fizeram parte desse contexto foram elementos fundamentais para o desenvolvimento da cidade.

“Muitas famílias têm ligação direta com esse lugar. São diversas gerações que trabalharam aqui. Só a Noroeste, em Bauru, teve cinco mil funcionários na ativa. A Companhia Paulista, cerca de mil e quinhentos. Era muita gente trabalhando! Quando era dia de pagamento, o comércio ficava em festa. Os trabalhadores tinham prestígio. Isso trouxe todo esse desenvolvimento para o Centro, para o comércio dessa região. A ferrovia trouxe toda a infraestrutura da cidade: serviço telefônico, serviço de encanamento de água, rede elétrica, depois a rede hospitalar, instituições de ensino, indústrias”, declara Douglas Alves Ruzon, pesquisador, especialista na história da ferrovia, educador e maquinista.

Nesse cenário, vale ressaltar que três empresas compartilhavam o prédio da Estação Central Ferroviária e formavam um dos maiores entroncamentos ferroviários do Brasil. A primeira ferrovia chegou em 1905, que foi a Estrada de Ferro Sorocabana (EFS), e, com ela, Bauru passou a ter uma ligação direta com São Paulo. Em 1906, foi inaugurado o primeiro trecho da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil (NOB), que nascia em Bauru e ia em direção ao Mato Grosso. Já em 1910, chegou a Companhia Paulista (CP).

Dessa maneira, situado no antigo prédio administrativo da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil, o Museu Ferroviário Regional de Bauru foi fundado em 1989 com o objetivo de preservar e expor o material ferroviário. “O Museu preserva um acervo variado, com peças de maquinário ferroviário, mobiliário, indumentária, pintura, fotografia, material etnográfico, documentos textuais e exemplares relacionados à atividade ferroviária e compreende a produção das empresas férreas que atuaram no município de Bauru. O acervo abrange o recorte histórico do século XX à contemporaneidade”, explica a página do Museu.

Por meio de um projeto de preservação e informatização do acervo, cerca de cinco mil documentos, que incluem fotografias, mapas e relatórios sobre a história da ferrovia em Bauru e região, foram convertidos para o formato digital. E, dessa forma, é possível ter contato com fotografias históricas que preservam a memória dos trabalhadores da profissão fundante de Bauru.

Fotos históricas: os trabalhadores de Bauru

Fotografia com imagem dos trabalhadores da NOB em greve na frente da estação central de Bauru.  Fotos históricas exibem trabalhadores das ferrovias em Bauru. Confira!

Fotografia com imagem dos trabalhadores da NOB em greve na frente da estação central de Bauru.

Funcionários trabalhando nas obras de construção do depósito de carros na esplanada de Bauru.   Fotos históricas exibem trabalhadores das ferrovias em Bauru. Confira!

Funcionários trabalhando nas obras de construção do depósito de carros na esplanada de Bauru.

Funcionário da bilheteria da estação central de Bauru.  Fotos históricas exibem trabalhadores das ferrovias em Bauru. Confira!

Funcionário da bilheteria da estação central de Bauru.

Fotos históricas exibem trabalhadores das ferrovias em Bauru. Confira! Trabalhador em reforma do prédio da sede da IV divisão nas oficinas de Bauru.

Trabalhador em reforma do prédio da sede da IV divisão nas oficinas de Bauru.

funcionários da estação de Corumbá MS em pose para foto no saguão da estação.  Fotos históricas exibem trabalhadores das ferrovias em Bauru. Confira!

Funcionários da estação de Corumbá (MS) em pose para foto no saguão da estação.

Grupo de ferroviários em reunião.   Fotos históricas exibem trabalhadores das ferrovias em Bauru.

 Grupo de ferroviários em reunião.

Pintor durante trabalho de pintura do vagão prancha nas oficinas de Bauru.  Fotos históricas exibem trabalhadores das ferrovias em Bauru.

Trabalho de pintura do vagão prancha nas oficinas de Bauru.

Todas as fotos fazem parte do acervo digital do Museu Ferroviário, que mantém outros materiais diversos, bem como conteúdos educativos e institucionais.

É válido observar que o Museu informa que o projeto “Preservação e informatização do acervo museológico do Museu Ferroviário Regional de Bauru” foi contemplado como primeiro colocado no Edital de Preservação de Acervos Museológicos do Programa de Ação Cultural (ProAC) do Governo do Estado de São Paulo. Logo, foi dessa forma que teve origem a Central de Digitalização e Informatização do Museu Ferroviário Regional de Bauru.

LEIA TAMBÉM


Quer ficar por dentro de todo o conteúdo da Solutudo Bauru? É só seguir a gente no Instagram e curtir nossa página no Facebook!

Gostou desse conteúdo? Então deixe seu comentário no campo abaixo!

E se você conhece alguma história de Bauru e quer que ela seja contada aqui, entre em contato pelo e-mail sugestao.pauta@solutudo.com.br ou pelo nosso WhatsApp.

Avalie este conteúdo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui