A hanseníase já foi chamada de lepra ou “mal de Lázaro” e, no decorrer da história, enfrentou muitos estigmas por conta de preconceito e desinformação.

Trata-se de uma doença infecciosa crônica e contagiosa que afeta os nervos e a pele, e é causada por uma bactéria, a Mycobacterium leprae. Assim, é importante ressaltar que a hanseníase tem cura!

Pensando na necessidade de divulgar mais informações e contribuir para a prevenção, o diagnóstico precoce e o tratamento desse quadro, a Prefeitura de Bauru, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, aderiu à campanha Janeiro Roxo no combate à hanseníase.

Dados nacionais e locais

A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) aponta que aproximadamente 30 mil novos casos da doença são identificados no país todos os anos. Segundo os dados mais atualizados da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) de 2021, o Brasil ocupa a segunda posição no mundo em maior número de pessoas com hanseníase entre os países que diagnosticam a doença, perdendo apenas para a Índia.

Em Bauru, a Secretaria da Saúde divulgou que foram oito casos de hanseníase em 2021, enquanto no ano anterior esse total era de onze diagnosticados.

“A pandemia atrapalhou muito as ações de busca ativa nas unidades, pois os atendimentos de rotina estavam suspensos, o que ocasionou uma queda nos casos em 2020 e 2021”, explica Islaine Maressa Lira Pelegrina, enfermeira chefe do Centro de Referência em Moléstias Infecciosas (CRMI) de Bauru.

Campanha “Janeiro Roxo”

Diante desse cenário, a campanha Janeiro Roxo de combate à hanseníase acontece na Cidade Sem Limites durante o mês inteiro.

Dentre as ações previstas, está o 2º Mutirão de Avaliação dos Casos Suspeitos de Hanseníase, que acontecerá no dia 29 de janeiro, das 8h às 12h. Serão disponibilizadas 120 vagas para avaliação de casos identificados como suspeitos pelas unidades de Atenção Primária e dos contatos dos casos diagnosticados nos anos anteriores.

O mutirão será organizado pelo CRMI em parceria com os profissionais da Policlínica, do Serviço de Orientação e Prevenção do Câncer (SOPC) e do Instituto Lauro de Souza Lima.

Além disso, as Unidades Básicas de Saúde farão parte da campanha da Auto Imagem com o objetivo de identificar precocemente casos suspeitos, o que acontecerá por meio da utilização de uma ficha de auto imagem, de 17 a 21 de janeiro, para os pacientes que estiverem em atendimento na unidade de saúde no período.

Por fim, a Prefeitura de Bauru informa que o CRMI promoveu uma atividade de capacitação dos profissionais de saúde, entre eles chefias, enfermeiros e médicos, para que todos estejam atentos e aptos para contribuir na detecção de casos suspeitos. A roda de conversa online, para divulgação e orientação da campanha Auto Imagem, teve como tema “Hanseníase: É possível o diagnóstico precoce”.

Para Islaine, a relevância da campanha está ligada ao diagnóstico precoce porque é assim que se evita as complicações da doença. “Uma população esclarecida sobre as formas de transmissão é importante, sobretudo, para evitar o preconceito”, analisa a enfermeira.

Hanseníase: sintomas, diagnóstico e tratamento

Algumas das manifestações da hanseníase, doença que afeta principalmente a pele, os olhos, o nariz e os nervos periféricos, são:

  • Manchas na pele;
  • Sensação de fisgada;
  • Choque, dormência e formigamento ao longo dos nervos;
  • Perda de pelos em algumas áreas;
  • Redução da transpiração;
  • Inchaço e dor nas mãos, pés e articulações;
  • Febre e mal-estar;
  • Caroços no corpo.

A transmissão acontece por meio de gotículas de saliva eliminadas na fala, tosse ou espirro de pessoas não tratadas e em fases mais avançadas da doença. Portanto, não há problema no contato com a pele ou com objetos e, a partir do momento em que o tratamento é iniciado, a transmissão é interrompida.

Vale destacar também que um índice baixo de pessoas que tem contato com a bactéria adoece.

A enfermeira Islaine Maressa orienta que o usuário com suspeita de hanseníase deve se dirigir à Unidade Básica de Saúde (UBS) de sua preferência, onde passará por triagem. “Após avaliação médica e confirmação da suspeita, o indivíduo sairá do local com agendamento médico no CRMI. O tratamento clínico e os medicamentos são fornecidos de forma gratuita pelo Sistema Único de Saúde (SUS)”, informa.

“O usuário com suspeita de hanseníase deve se dirigir à Unidade Básica de Saúde (UBS) de sua preferência, onde passará por triagem. Após avaliação médica e confirmação da suspeita, o indivíduo sairá do local com agendamento médico no CRMI. O tratamento clínico e os medicamentos são fornecidos de forma gratuita pelo Sistema Único de Saúde (SUS)

Islaine Maressa Lira Pelegrina, enfermeira chefe do Centro de Referência em Moléstias Infecciosas (CRMI) de Bauru

A principal medida de prevenção é ter atenção aos sintomas e procurar assistência médica o quanto antes em caso de contato com uma pessoa infectada. Assim, haverá a avaliação da necessidade de um exame dermato-neurológico e da aplicação da vacina BCG todos que estiveram próximos do indivíduo diagnosticado.

Mais informações

Secretaria de Saúde
Endereço: Rua Gérson França, 7-49
Telefone: (14) 3104-1468

Serviço

2º Mutirão de Avaliação dos Casos Suspeitos de Hanseníase
Dia 29 de janeiro, das 8h às 12h
Local: Centro de Referência em Moléstias Infecciosas – CRMI
Vagas: 120

Banner da campanha janeiro roxo, de mobilização no combate à hanseníase, em Bauru. A arte é roxa, com um texto informativo
Arte: Divulgação/Prefeitura de Bauru

LEIA TAMBÉM


Quer ficar por dentro de todo o conteúdo da Solutudo Bauru? É só seguir a gente no Instagram e curtir nossa página no Facebook!

Gostou desse conteúdo? Então deixe seu comentário no campo abaixo!

E se você conhece alguma história de Bauru e quer que ela seja contada aqui, entre em contato pelo e-mail sugestao.pauta@solutudo.com.br ou pelo nosso WhatsApp.

Avalie este conteúdo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui