Alessandra Pereira da Silva, 36 anos, acorda todos os dias às 4h da manhã. Toma café, cuida dos quatro filhos e vai para o trabalho. Ela é bem conhecida pelos usuários do transporte público de Botucatu, interior de São Paulo. Ela nos conta que foi escolha própria ser motorista de ônibus:

“Eu era cobradora e ficava olhando o motorista dirigindo. Sentia muita vontade de conduzir o ônibus, então tomei coragem, falei com o meu chefe e em 2014, eu tirei a carta.”

Foto: Bianca Camargo

“No começo, o tamanho do veículo assusta, mas depois você acostuma, hoje em dia, pra mim é mais fácil dirigir ônibus do que carro. No ônibus eu fico no alto, dá para ver tudo.”

Além dos desafios da vida pessoal, a começar por conciliar a vida familiar, cuidar da casa e dos filhos.
A paixão por dirigir de Alessandra, também supera obstáculos da profissão: o preconceito que a motorista vive é diário.

“Nem todo mundo confia no trabalho de uma mulher motorista. Algumas pessoas ainda acreditam que só o homem é capaz de dirigir bem. Entram, fazem piadinha, e eu sou sempre simpática, levo na brincadeira. Mas depois elas percebem que eu consigo dar conta.”

“Em meio ao trânsito, não basta dirigir bem. É preciso paciência, simpatia e lembrar sempre que o meu trabalho é transportar a população com segurança!”

Nossa país é cheio de mulheres fortes e inspiradoras! ♥


Gostou desse conteúdo? Deixe seu comentário no campo abaixo! E se você tem uma sugestão e quer ver ela ela aqui, entre em contato pelo e-mail: sugestao.pauta@solutudo.com.br


Avalie este conteúdo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui