A escolas nem sempre acompanham os avanços tecnológicos da nossa sociedade. Muitas vezes é difícil para o professor trazer o assunto para dentro de sala. Principalmente por falta de investimentos na área, o ensino tecnológico precisa ser adaptado pelos professores.

É o que tem feito João Paulo Falcão, professor de matemática na escola municipal Pedro Carnaúba, na cidade de Viçosa, Alagoas. O educador têm usado lixo eletrônico recolhido em alguns pontos da cidade para ensinar robótica aos seus alunos.

O Projeto

O projeto, chamado Robótica Sucational, acontece desde 2017, em uma pequena sala da escola. O material é recolhido em 7 pontos espalhados pela cidade. Entre eles, estão outras instituições de ensino e comércios locais, que dispuseram parte de seu espaço para ajudar a causa.

“Nós iniciamos esse projeto com a ideia de dinamizar, com a ideia de transformar a realidade que nós tínhamos em 2017. Que eram justamente as aulas enfadonhas, os alunos desmotivados, eu também desmotivado. E ainda bem que nós conseguimos fazer com que esse projeto se tornasse uma realidade em nossa escola”, conta orgulhoso o professor. 

A iniciativa é, muitas vezes, o primeiro contato de muitos de seus alunos com a produção científica. O projeto começou a partir da análise em sala de aula sobre a mistura de lixo comum com o lixo eletrônico e o impacto disso no meio ambiente.

Notem os olhinhos! Esta é a maior valorização!!! #ficmaker2019 #oficinas #makermoviment #makereducation #maonamassa…

Posted by Robótica Sucational on Thursday, February 28, 2019

A partir de pesquisas, já foram criadas três versões do projeto. Em 2017, seu primeiro ano, era chamado de Robótica Sucational: hidráulica e automação. A segunda versão, em 2018, teve o foco voltado para sensores e sustentabilidade. Já este ano, a temática será “Transformando o futuro”.

Guiando para o bem

A garotada se diverte e garante que a aplicação dos conteúdos é bem efetiva. “O projeto de robótica é muito bom! Eu aprendi várias coisas. Até o ano passado não aprendia nada disso, a partir desse ano já comecei a estudar, comecei a fazer. A turma toda tá amando, é muito legal”, conta a aluna Maria Clara Cabral, em vídeo postado pelo professor em seu perfil no YouTube.

Além do impacto positivo de João Paulo na vida dos alunos, por meio da mudança nas relações com as tecnologias, o projeto tem outro efeito muito importante. Os alunos aprendem que o descarte do lixo eletrônico deve ser feito de forma adequada e levam esse ensinamento para fora dos muros da escola.

A cidade tem uma envolvimento bem efetivo na campanha. O resultado é uma participação mais inclusiva da população na educação das crianças. 

E o Vovô veio fazer um carrinho para o neto!!!! #educaçãomaker #aprendizagemsignificativa #aprendizagemcriativa #roboticasucational #sustentabilidade #sustentavel #carrinhosustentavel @porvir_ @novaescola

Posted by Robótica Sucational on Wednesday, February 6, 2019

“Aulas mais dinâmicas, sociedade efetivamente participando do projeto, alunos mais motivados, alunos mais alegres, alunos mais tranquilos na sala, participando, tendo um bom relacionamento comigo, o professor, com a equipe gestora, com os colegas, trabalhando de forma cooperativa, se ajudam para que os projetos dêem certo”, diz João Paulo sobre o saldo positivo das ações na escola. 

Em Viçosa, já foram recolhidos cerca de 1.800 kg de lixo eletrônico. Imagina a quantidade que seria recolhida se projetos como esse fossem implementados em todas as cidades do Brasil?

Fonte: Razões para Acreditar


Gostou desse conteúdo? Deixe seu comentário no campo abaixo! E se você conhece alguma história bacana da sua cidade e quer que ela seja contada aqui, entre em contato pelo e-mail: sugestao.pauta@solutudo.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui