Hoje, 15 de janeiro, é o dia de homenagear mundialmente todos aqueles que transformam em música uma história vivida ou inventada, adicionando melodia. Parabéns a todos os compositores, em especial aos conterrâneos de Presidente Prudente, que compartilharam com a Solutudo, um pouquinho de suas experiências musicais.

Rock

O professor universitário Rogério José da Silva, teve um incentivo pessoal de seu avô, que lhe presenteou com um cavaquinho ao completar seis anos; era o início de sua paixão pela música.

Graduado em Letras pela Unesp de Assis-SP, ele admite ser um amante da poesia, que foi sua maior motivação para as suas composições musicais.

Rogério descobriu a paixão pela música logo na infância.
(Foto: Renato Pandur)

“Fazer letra, para mim, é dizer as coisas do cotidiano, do dia a dia, que estão na vida de todos, das quais nem sempre damos atenção. O olhar do compositor é muito parecido com o olhar do poeta: precisa enxergar algo diferente, quase imperceptível, mas que sempre esteve ali, diante de todos”, comenta.

Atualmente, Rogério é integrante da Banda Média7, composta por professores e universitários de Presidente Prudente. Neste ano, a pretensão do grupo é lançar um EP (gravação em disco) com ao menos oito músicas autorais.

Além das composições que ainda estão por vir, o músico ressalta o carinho que possui pela percursora de suas canções, que retratou um momento delicado de sua vida.

“Minha primeira letra e já gravada é a ‘Algures na Cidade’, que fala de minhas percepções numa cidade nova (eu acabava de me mudar para Prudente), do sentir-se solitário, mas não se deixar abater: pelo contrário, vivenciar e valorizar essas experiências particulares, como ouvir atentamente uma música, alegrar-se com um violão e conhecer gente nova”, relata.

Sertanejo

Mudando da água para o vinho, o cantor e compositor João Markos Corrêa, é um grande fã da música sertaneja, gênero que lhe influenciou a seguir a carreira musical.

Aos 13 anos, aprendeu a tocar guitarra, foi quando ingressou na Banda Sol Nascente, em que seu pai também fazia parte.

João Markos tem grande admiração pela música sertaneja.
(Foto: Eduardo Rizzio)

“A música entrou na minha vida desde a infância, pois meu pai, irmãos e tios já tocavam em algumas bandas, acabei crescendo nesse meio. Costumo dizer que a música já vem de berço”, destaca.

Seus maiores ídolos e que trazem inspirações para algumas de suas composições, é a dupla Zezé Di Camargo e Luciano. Para ele, é como uma referência, além de se identificar com a garra que ambos tiveram para conquistar seu nome na música brasileira.

Quando o assunto é suas canções, João Markos afirma sem hesitar que a música “100 anos” é a mais linda que já compôs, e foi destinada a um antigo amor.

“É uma música romântica onde gravei apenas com piano e a voz, eu fiz ela de presente para uma pessoa especial. A letra conta a história de um casal apaixonado, que se amavam e foram feitos um para o outro”, completa.

MPB

A estudante de direito, Ingrid Rocha de Oliveira Ribas, se considera o oposto de muitos cantores, pois ela nunca teve ninguém próximo que fosse músico.

Normalmente, suas composições falam sobre reações perante a existência, muitas vezes, incentivada pela atitude e voz da cantora Cássia Eller.

Cássia Eller é influência na música de Ingrid.
(Foto: Arquivo Pessoal)

“Desde quando soube que eu era capaz de compor, até hoje, a temática sempre varia. Acredito que a composição é reflexo direto dos meus sentimentos e percepções sobre o mundo, sou muito curiosa, escrevo sobre o que me afeta, sobre o que observo em mim e nas pessoas, seja acontecimentos bons, neutros ou até ruins”, relata.

Ingrid costuma pensar que a arte é um importante instrumento para lidar com algumas questões difíceis, e foi assim que compôs a música “Pardalzinho”, dedicada a seus irmãos mais novos.

“Creio que essa seja a letra mais especial. Sou a irmã mais velha, moro em outra cidade, estava reflexiva sobre como os pequenos estão crescendo rápido, aí somando isso com a distância, e saudade, foi a fórmula ideal para a composição”, finaliza.

São tantas histórias que fica difícil não se inspirar nessa arte chamada de música!


Gostou desse conteúdo? Deixe seu comentário no campo abaixo! E, se você conhece alguma história bacana da sua cidade e quer que ela seja contada aqui, entre em contato pelo e-mail: sugestao.pauta@solutudo.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui