Dia do Mágico: conheça o relato de quem vive do ilusionismo
(Foto: canstockphoto)

O Dia Mundial do Mágico, comemorado anualmente em 31 de janeiro, homenageia aqueles que trabalham com a arte do ilusionismo, encantando públicos de todas as idades.

Neste dia, contaremos a história de dois profissionais da área, que descobriram a paixão pela mágica logo na infância.

O policial militar, Adriano Chaves, assistiu um espetáculo circense aos seis anos e ficou admirado com os truques mágicos que pôde conhecer; esse foi o começo do que viria a se tornar uma de suas profissões.

“Contei para o meu pai que queria ser mágico e, toda vez que ele viajava me trazia de presente uma magiquinha (kit de mágica infantil). Comecei a chamar as crianças da minha rua e falava que ia ter um show de mágica para eles, ficavam todos sentados e eu montava minhas coisas”, relembra.

Ainda na adolescência, Adriano deu uma pausa na carreira de mágico para interpretar o papel do palhaço Tufão, retornando ao mundo do ilusionismo apenas na vida adulta.

“Senti a necessidade de voltar a onde havia parado, assim, consegui recomeçar meu sonho aos 25 anos, desde então, continuo fazendo apresentações como mágico, é como se fosse uma profissão extra que eu amo fazer”, ressalta.

Além dos trabalhos terceirizados que acontecem em várias cidades no interior de São Paulo, Adriano também participa de projetos voluntários em escolas, creches, casas de repouso e entidades filantrópicas de Prudente.

“É importante levar a alegria a uma criança que, muitas vezes, não tem condições de ir a um teatro ou circo. A criança é o motivo e inspiração de um profissional na área de entretenimento”, relata.

Apresentação de natal no bairro João Domingos Neto. (Vídeo: Arquivo pessoal)

Denner Klem vive do ilusionismo há mais de 20 anos, segundo ele, a paixão se despertou na pré-escola, quando a professora questionava o que cada um queria ser quando crescesse, e ele sempre respondia: “Quero ser mágico!”.

Dia do Mágico: conheça o relato de quem vive do ilusionismo
O ilusionista já viveu em mais de seis circos. (Foto: Reprodução/Facebook)

“Todos caçoavam dizendo que essa profissão não existe, eu era o único que acreditava em mim mesmo. Até que um dia, passeando pelo camelódromo de Presidente Prudente, avistei uma placa escrito ‘mundo das mágicas: demonstração grátis, ensinamos na hora’, eu fiquei louco!”, ressalta.

A partir daí, Denner nunca mais parou, foram anos como cliente fiel, adquirindo kits mágicos e aprendendo truques na mesma loja, que viria a comprar tempo depois.

“Comecei a vender mágica no camelô e, ao mesmo tempo, fazendo apresentações em aniversários e escolas, fiquei com medo de não dar certo no início, mas arrisquei”, diz.

Dia do Mágico: conheça o relato de quem vive do ilusionismo
Atualmente, seu principal público são em festas infantis. (Foto: Reprodução/Facebook)

Diferente de Adriano, o mágico Denner chegou a morar no circo por um tempo, foi quando conheceu sua atual esposa em uma das cidades durante a turnê de shows.

(Vídeo: Reprodução/Facebook)

Hoje, Denner vive 100% da mágica, profissão que considera incrível, e de acordo ele, fará até o fim da vida.

“A principal mágica é a de fazer aparecer sorrisos, pois é a melhor recompensa que podemos ter. Pra quem quer começar nessa área, precisa de muita disciplina e respeito pela arte”, finaliza.

Conheça mais sobre os trabalhos dos mágicos acessando suas redes sociais:
Adriano Chaves
Denner Klem


Gostou desse conteúdo? Deixe seu comentário no campo abaixo! E, se você conhece alguma história bacana da sua cidade e quer que ela seja contada aqui, entre em contato pelo e-mail: sugestao.pauta@solutudo.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui