Esse conteúdo é um oferecimento da Univem Botucatu, empresa madrinha que apoia as boas notícias de Botucatu.

Júnior Torres de Castro foi, sem dúvidas, um nome que deu muito orgulho à nossa cidade. O Botucatuense, além de grande contribuição para a ciência, era um homem que se preocupava em tornar o mundo um lugar melhor e se movimentava em prol disso.

Junior Torres de Castro

Formado em engenharia elétrica pela USP e engenharia eletrônica pela Columbia University in the City of New York, Castro também morou na Suécia, onde fez mestrado em geologia, geofísica e doutorado em física. Conseguiu estabilidade financeira com uma empresa do ramo de perfuração de poços artesianos. Mas foi como radioamador que ele realmente se sentia realizado.

A vontade de lançar seu próprio satélite surgiu em 1957, quando a União Soviética lançou o Sputnik, dando o primeiro passo da Era Espacial. Na época, o rapaz de apenas 24 anos, ficou impressionado ao conseguir captar os sinais do equipamento.

Decidido a fazer parte disso, Castro passou a buscar conhecimento, participar de eventos, congressos e tudo que podia para adentrar aquele meio. Era visto com desconfiança mas, devido a tanto esforço e determinação, começou a ser aceito e até admirado.

Dove-OSCAR 17

Dove-OSCAR 17 ou DO 17, foi o primeiro satélite radioamador brasileiro. Ele foi lançado no dia 22 de janeiro de 1990, do Centro Espacial de Kourou, que fica localizado na Guiana Francesa. Ele foi desenvolvido e construído com recursos próprios de Castro, única pessoa física que se tem registro, até os dias atuais, de tal feito.

Foi o primeiro satélite artificial radioamador brasileiro, com fins educacionais e humanitários.

É possível assistir o lançamento do satélite e, também, uma breve entrevista de Castro na reportagem abaixo:

Mais que um satélite

Entre as funcionalidades do DOVE estava uma característica única: ele transmitia mensagens de crianças de diversas partes do mundo que pediam a paz entre os povos.

“Eu nasci e cresci no meio da guerra. Vi a violência e muita gente morrendo. Senti medo, muito medo. Não queria ver o ódio nunca mais. O que eu quero é que a humanidade viva em paz”, dizia a gravação de um pequeno vietnamita, transmitida pelo satélite.

Por esse e outros feitos, Junior Torres de Castro foi um dos poucos brasileiros nomeados para o Prêmio Nobel da Paz. 

Castro teve 9 filhos. Faleceu em 2018, com 84 anos.


Gostou desse conteúdo? Deixe seu comentário no campo abaixo! E se você tem uma sugestão e quer ver ela ela aqui, entre em contato pelo e-mail: sugestao.pauta@solutudo.com.br


Esse conteúdo é um oferecimento da Univem Botucatu, empresa madrinha que apoia as boas notícias de Botucatu.

1 COMENTÁRIO

  1. Avatar E assim já se passaram quaze 3 anos sem o amigo e companheiro das rodadas de madrugada, saudades das boas historinhas....????️?️??

    E assim já se passaram quaze 3 anos sem o amigo e companheiro das rodadas de madrugada, saudades das boas historinhas….????️?️??

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui