A representação da mulher na história do feminismo sergipano é um assunto desconhecido por muitos por ser pouco abordado e discutido. Muitas delas, inclusive, conquistaram melhores condições de trabalho, direitos sociais e políticos.

Por isso hoje mostraremos quais são as principais personalidades femininas que alcançaram notoriedade histórica e reconhecimento em sua luta por igualdades.

1 – Ofenísia Soares Freire

feminismo sergipano
(Foto:A8se.com/Reprodução)

Foi uma das mais reconhecidas professoras do tradicional Colégio Atheneu Sergipano, onde dedicou toda sua vida acadêmica leccionando e inspirando centenas de seus alunos. Natural de Estância ela ensinava disciplinas como: Língua e Literatura Portuguesa, Teoria Literária, Língua e Literatura Brasileira.

Militante ativa e apaixonada por suas atividades intelectuais, ela era considerada “A Mestra de todos”, pois ensinou em diversos colégios públicos e por onde passava fazia questão de instruir seus alunos a lutarem pelos direitos iguais e a busca pelo conhecimento.

Além de professora, ela era escritora reconhecida nacionalmente tendo publicado sua maior obra: “Presença Feminina em Os Lusíadas”. Ofenísia também conquistou o posto da segunda mulher a assumir a cadeira na Academia Sergipana de Letras.

Ofenísia Soares Freire faleceu no dia 24 de julho de 2007, aos 93 anos.

2 – Maria Rita Soares de Andrade

feminismo sergipano
(Foto:Habeas Mentem/Reprodução)

Nascida em Aracaju no ano de 1904, Maria Rita Soares de Andrade foi a primeira mulher nomeada Juíza Federal no Brasil. Atuou na área jurídica defendendo os direitos iguais para mulher, tendo atividade no movimento feminista abordado pautas como: “A história da libertação da mulher brasileira”.

Também foi membra do Ministério Público e do Conselho Penal e Penitenciário, leccionou a disciplina de literatura no Colégio Atheneu Sergipense e Direito Comercial na Escola do Comércio, além de ter funcionado ad hoc como Procurador da República e Procurador Geral do Estado.

Maria Rita Soares de Andrade faleceu no ano de 1998, onde atuou na área jurídica até então.

3 -Alina Leite Paim

feminismo sergipano
(Foto:Habeas Mentem/Reprodução)

A escritora Alina Leite Paim nasceu no município de Estância em 1919, onde já teve sua obra reconhecida por escritores conceituados como Graciliano Ramos e Jorge Amado. Militante feminista, Alina sofreu diversas repressões políticas e foi perseguida durante o regime militar.

Escreveu cerca de dez romances e quatro livros infantis, tendo alguns deles tradução na Rússia, China, Bulgária e Alemanha. Seus livros sempre se destacam por terem protagonistas femininas com personalidades fortes e ideológicas. Entre suas obras mais conhecidas estão: “Estrada da liberdade (1944), A correnteza (1979), O Lenço Encantado (1962), além de também ter escrito o programa infantil para rádio “Reino da alegria” em 1945.

Alina Leite Paim faleceu no dia 01 de março de 2011.

4 – Maria Thetis Nunes

feminismo sergipano
(Foto:Instituto Marcelo Déda/Reprodução)

Itabaianense nascida em 1925, ela foi a primeira sergipana a se formar em História e Geografia na faculdade de filosofia da Universidade Federal da Bahia.

Foi a primeira professora a atuar no Colégio Atheneu Sergipano, onde logo depois assumiu a direção. Atuou na cadeira de História no Instituto Superior de Estudos Brasileiros (ISEB) e também foi a primeira professora de História do Brasil, História Contemporânea e Cultura Brasileira logo quando foi inaugurada a Universidade Federal de Sergipe.

Além destes méritos, Maria Thetis também foi nomeada pelo Ministério das Relações Exteriores a Diretora do Centro de Estudos Brasileiros na Argentina.

A professora Maria Thetis Nunes faleceu no dia 25 de outubro de 2009.

Fonte: Habeas Mentem


Gostou desse conteúdo? Deixe seu comentário no campo abaixo! E se você conhece alguma história bacana da sua cidade e quer que ela seja contada aqui, entre em contato pelo e-mail: sugestao.pauta@solutudo.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui