Aqui na nossa #SérieColecionadores já vimos a história do Daniel e sua incrível coleção sobre tudo da Coca-Cola e a divertida coleção de Cartões Postais do Miro. Dessa vez, o colecionador que encontramos na cidade é o Marco Antônio, que é apaixonado por carros e que coleciona miniaturas há mais de 50 anos. E vocês acreditam que a coleção dele tem mais de 3.000 itens?

E, viu, não tem nem como disfarçar a sua paixão. Seu quarto é repleto de carros por todas as partes, desde a sua coleção, quadros, livros, decoração… esse aí é fã mesmo! ?

A Coleção

Um dos primeiros itens de sua coleção foram os carrinhos de um autorama que ganhou quando criança de sua avó. “No começo não era uma coleção, você vai guardando alguns e quando vê já tem vários! Se juntar 5, você já é um colecionador; quem tem 10, já tá com o vírus instalado e dificilmente vai parar. Já eu, que passei dos 3.000, já estou até parando de comprar!”, se diverte.

Sua coleção fica exposta em armários feitos por ele mesmo, e em caixas, separados por modelos, marcas e temas! Marco também possuí várias subcoleções dentro de sua coleção principal, com carros brasileiros, japoneses, argentinos, alemães, americanos, ingleses, italianos, carros de corrida, veículos militares, ônibus, carros do Batman (sim! O ‘morcegão’ é o seu herói favorito na infância, por ser o único que não tinha poderes), carros do 007, Speed Racer e de marcas e estilos diversos. Tem miniaturas de carros de vários pilotos famosos, como Emerson Fittipaldi, Ayrton Senna, Rubens Barrichello, José Carlos Pace e Niki Lauda, e lembra dos momentos relacionados as corridas de cada carro. Também tem alguns carros vencedores das tradicionais 24 Horas de Le Mans de diversas edições.

Em família

Para ele, colecionar aguça a curiosidade. E, haja curiosidade, viu?! Ele diz ser muito curioso quando o assunto é carro, adora pesquisar sobre o assunto, inclusive possuí vários livros sobre carros no seu quarto e sabe todas as histórias, ano, modelo, nacionalidade, etc. “Não é só um monte de carrinhos amontoados, são presentes, são histórias!”

Hoje, a sua coleção está fundida com a de seu filho Pedro, pois quando era pequeno, cada vez que Marco comprava um carrinho, tinha que comprar outro pro seu filho também. “Era sempre em dobro, e a partir de um determinado momento quando ele já estava maior, resolvemos juntar as coleções, vendemos os repetidos e agora é nossa!”

Sua coleção representa os presentes que ganhou de seus amigos e familiares, suas lembranças, história de infância… “Ela é muito importante pra mim e não foi fácil chegar ao que tenho hoje!” Ele não sabe ao certo o momento que sua paixão virou coleção, pois guardava esses carrinhos desde criança. “Em um determinado momento você percebe que tem um monte, você compra um e quer formar um joguinho.”

Ele é fascinado por todos os carros, dos pequenos ao tamanho família, em especial os carros esportivos, porém considera que a parte mais interessante de sua coleção são os veículos de serviços, como ônibus, trator, guincho, táxi, etc., que são mais difíceis de encontrar. E também diz ser fanático pela Ferrari, por ser descendente de italiano, ele tem muitas de todos os tipos. (as de miniatura, é claro 😛 )

Grandes miniaturas

Um momento que marcou a sua coleção foi quando ele já tinha muitos carrinhos, mas foi o que fez ele decidir que, de fato, seria um colecionador. “Eu tinha um amigo que conhecia há muito tempo, nos encontramos um dia e ele me perguntou se eu ainda colecionava, porque estava vendendo sua coleção de Matchbox.

A razão da venda era por precisar do dinheiro para comprar alguns remédios para o tratamento de sua filha que estava com leucemia. Ele estava vendendo quase 100 carrinhos por um valor superbaixo, eu falei ‘Você tá louco! Esse valor, você tá dando embora’, eu disse que ficaria com a coleção, mas pagaria o que ela realmente valia. Eu comprei e algum tempo depois soube que sua filha foi curada, isso é algo que me emociona bastante, eu sei que foi difícil pra ele vender, pois era tão apaixonado quanto eu pela pela coleção, mas a saúde da filha vem em primeiro lugar!”

Marco Antônio ainda nos deixou uma mensagem:

Um colecionador nunca deve olhar para coleção como um negócio financeiro, coloque a paixão naquilo que você gosta, e também não determine o tempo que vai levar, pois assim você só amontoará várias coisas sem nenhum sentido. Colecionar é algo muito saudável e faz bem! É melhor ter um item que você pagou R$ 10,00 e que tem uma história, do que um que você pagou R$ 500,00 e que vai ficar pegando pó e não representará nada para você!


Curtiu? Porque, olha, só estamos ainda na metade da nossa série!Fica ligado que ainda temos muuuuita coleção para mostrar em nossa #SérieColecionadores! Clique na hashtag e acompanhe! ? <3


Gostou desse conteúdo? Deixe seu comentário no campo abaixo! E se você conhece alguma história bacana da sua cidade e quer que ela seja contada aqui, entre em contato pelo e-mail: sugestao.pauta@solutudo.com.br

Avalie este conteúdo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui