O ano de 2021 é um dos mais especiais para Ourinhos. É o ano que se completa 60 anos da Rainha do município. Uma figura divina e verdadeira mãe para todos nós. Você conhece a história? Ou não sabe de quem estamos falando? Então, fique até o fim desta reportagem e se encante por essa linda história.

Oblatos de São José

A congregação dos Oblatos de São José chegou no Brasil em 1919, sendo o primeiro local de trabalho o litoral do Paraná. Após a Segunda Guerra Mundial, houve uma nova leva de missionários dos oblatos que vieram para o sudoeste do estado de São Paulo, mas uma parte ficou em Curitiba.

Naquela época, a principal comarca era a cidade de Salto Grande e Campos Novos Paulista, e a presença das ferrovias em Ourinhos foi o que chamou a atenção dos missionários. Então, foi instalado na cidade o primeiro Seminário da congregação dos oblatos do Brasil e da América Latina.

Com a chegada de novos padres na cidade, resolveram começar a se dedicar os seus trabalhos para a Nossa Senhora de Guadalupe, a padroeira da América Latina. Desta forma, o nome do Seminário carrega o título da Virgem Maria.

Paróquia Santuário Nossa Senhora de Guadalupe

Aí a coisa começou a ficar séria e em 02 de maio de 1954 foi o dia que começou a nascer a igreja com o lançamento da pedra fundamental por Dom Frei Henrique Gollard Trindade, Bispo de Botucatu.

Dom Frei Henrique Gollard Trindade. Foto: arquivo pessoal

Os pensamentos e projetos caminhavam para a construção da igreja ao lado do Seminário, algo que facilitaria as orações e celebrações para os pais e seminaristas Josefinos (quem faz parte dos Oblatos de São José), bem como para as famílias que moravam ao redor.

Naquele tempo, Ourinhos estava no seu auge, o crescimento da cidade estava a todo vapor. E só havia uma única Paróquia na cidade, a Matriz do Senhor Bom Jesus. Foi então que o Bispo Dom Frei criou a segunda Paróquia, assinando toda a documentação no dia 12 de dezembro de 1957, dia da festa de Guadalupe, que carrega a titulação da padroeira da América Latina.

A instalação da Paróquia foi no dia 27 de abril de 1958 e naquele dia foi realizada uma solenidade especial com a presença do Bispo, os padres Josefinos e do povo em geral.

Santuário Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe, Ourinhos-SP.

Foi uma festança que só quem viveu sabe como foram grandiosos os sentimentos naquele dia. Um dia intenso, festivo e celebrativo organizado pelo Provincial dos padres Josefinos e o Padre Bernardino Baccolo, que foi o primeiro Pároco (padre líder da igreja) da mais nova Paróquia ourinhense.

Já em 2000, em razão da comemoração do Jubileu do nascimento de Jesus Cristo, o Bispo Dom Salvador Paruzzo, autoridade bispal da nova Diocese de Ourinhos desde 1998 até 2021, pois não estava mais ligada com a de Botucatu, e hoje é emérito, declarou a Paróquia como Santuário Nossa Senhora de Guadalupe no dia 10 de dezembro. A documentação foi apresentada para a população durante a celebração da festa de Guadalupe.

Rainha de Ourinhos

Em 1960, o padre Duilio Liburdi, pároco da época, foi o responsável por iniciar uma movimentação para que Nossa Senhora de Guadalupe fosse a rainha de Ourinhos. A autoridade organizou um abaixo-assinado e conseguiu a assinatura de 24 mil pessoas. Além da realização de uma campanha para toda a população doar algumas joias de ouro para a confecção de uma coroa. Deu certo! Inclusive, a coroa utilizada em todos os anos é a original, é a que foi fabricada neste período.

Sendo assim, no dia 12 de dezembro de 1961 a padroeira da comunidade foi coroada como Rainha de Ourinhos. O Monsenhor Silvio Maria Dário foi o responsável por benzer a coroa e receber o abaixo-assinado, representando o Bispo. O prefeito daquele tempo era Antonio Luiz Ferreira, que elegeu oficialmente Guadalupe como Rainha Efetiva e Eterna da cidade com o decreto 257 e fez, de forma solene, a consagração do município à Nossa Senhora.

Em novembro deste ano, 2021, o vereador Gil Carvalho requereu que o decreto fosse reconhecido como uma Lei do município. Deu certo! Foi uma vitória que a partir do dia 30 de novembro virou Lei que Guadalupe é Rainha Eterna e Efetiva de Ourinhos. Bem como a data 12 de dezembro passou a fazer parte do calendário anual do município com o nome de “Dia Municipal de Nossa Senhora de Guadalupe”.

O pároco Antonio Gerolomo ao lado do verador, Gil Carvalho, autor da criação da Lei Municipal. Foto: arquivo pessoal

Testemunho popular

São poucas pessoas que sabemos que estão vivas hoje que participaram da coroação de Guadalupe como Rainha, em 1961. Uma delas é Angela Maria Pontara Labs de 70 anos. Ela lembra com clareza como foi em 1960, época que o padre pároco Duilio iniciou a campanha do abaixo-assinado e da arrecadação de ouro para a fabricação da coroa.

“Durante as missas, os padres pediam-nos que doássemos alguma joia. Eu doei uma correntinha minha”, conta a ourinhense.

Angela Labs é a vestida de rosa, fotografia de um momento da coroação de 2021.

E no ano seguinte, a da coroação oficial como rainha, Angela afirma ter sido um dia encantador e emocionante. “Eu estava de anjinho ao lado da imagem de Guadalupe, eu tinha dez anos. A igreja tinha muita gente, eu olhava e não tinha fim. Foi um dia de festa maravilhoso com quermesse após a missa, na rua da igreja mesmo, onde havia enfeites de bandeirinhas para celebrar o dia e a coroação da Virgem Maria. Sinto falta de toda essa animação que perdurou durante anos. Espero que este ano seja o pontapé de recomeço para voltarmos a comemorar de toda forma que for possível”, conclui.

Coroação 2021

Desde a criação da Paróquia, a comunidade celebra o dia de Nossa Senhora em 12 de dezembro com muita festa e alegria. Em todos os anos é promovida uma celebração espiritual com novena (nove dias de oração) e a comemoração física com bingos, vendas de alimentos e quermesse.

Mas já são quase dois anos que a igreja não tem uma festa especial por causa da pandemia de coronavírus. Entretanto, 2021 foi um ano memorável. O padre Antonio Carlos Gerolomo, o pároco atual, é quem orquestrou tudo que foi feito neste mês.

E o padre ressaltou que o mais importante é a festa íntima. “O que é mais necessário é o íntimo, é o nosso interior conectado com Jesus e a Virgem Maria. A mãe nunca nos abandona. E este ano precisa ser mais que celebrado porque compreendemos, em um período de dor, que Deus é vivo e nos ama com infinito amor. Deus não nos abandona e não vai nos abandonar. Somo chamados a recomeçar”, exaltou.

Para isso, foi realizada duas novenas. A novena de semanas que foi on-line do dia 06 de outubro até o dia 01 de dezembro e a presencial diária do dia 03 até o dia 11 de dezembro. Bem como a venda de pastéis e refrigerantes na padaria da igreja durante todos os dias da novena diária, a venda de uma rifa, que o resultado será no dia 18 de dezembro, a venda de uma camiseta com a imagem de Guadalupe e a venda de uma garrafinha de água com os escritos dos 60 anos. Uma simbologia de festa física, já que ainda é complicado produzir uma quermesse.

Banner estendido na igreja no primeiro dia de novena diária.

Nós quando amamos alguém temos o desejo de dar algo a mais para o amado em datas comemorativas. É nesse sentido que a celebração da coroação deste ano foi fabulosa. O padre realizou uma pesquisa para encontrar se havia pessoas vivas que estavam presente no dia que Guadalupe foi decretada Rainha de Ourinhos, o motivo era para convidar a estarem presentes na celebração neste mês e participarem de um encontro nostálgico, afetivo e divino durante a coroação.

11 de dezembro de 2021

Às 16h30 chegou na Paróquia uma pequena imagem de Guadalupe que estava peregrinando pelas outras igrejas da cidade desde o primeiro domingo de outubro. Foi um momento de muita emoção e alegria. Foi o “start” das comemorações deste final de semana.

Logo iniciaram a missa. Tudo se cumpriu conforme o ritual: momento de perdão, leituras da Bíblia, salmo, palavras do sacerdote, comunhão e, por fim, o grande momento da coroação da Virgem Maria.

A celebração começou com uma linda e simples dança das crianças, que frequentam a igreja, ao som da música “Mãezinha do Céu”. Depois os adolescentes também coreografaram ao redor da imagem de Guadalupe. Em seguida, algumas placas entraram no altar com os escritos de todos os títulos que a Nossa Senhora recebeu aos longos dos anos com rosas levadas por idosas que estiveram presentes há 60 anos. Ano que a igreja recebeu o decreto de Guadalupe como Rainha Eterna e Efetiva de Ourinhos.

E o momento épico foi realizado pelas mãos de Nelson Amaral, católico desde sempre do Santuário, que corou Virgem de Guadalupe ao som da música “Nós te coroamos”. O primeiro homem de toda a história da igreja a coroar a imagem da Virgem Maria. Desta maneira, a celebração do Reinado de 60 anos foi finalizada com muita emoção, alegria, nostalgia e respeito.

História de Nossa Senhora de Guadalupe

Chegou a hora de aprender mais sobre a Nossa Senhora para compreender o porquê de ela ser a padroeira da América Latina.

A história se passa no México e o personagem coadjuvante é Juan Diego, um índio livre que não sabia ler nem escrever. Trabalhava muito no campo e vivia com a sua esposa, Maria Lúcia, e o tio, Juan Bernardino, que era a sua figura de pai. Em um período da vida, os três se converteram para a religião Católica e a Maria veio a falecer em 1529. E cada vez mais a fé de Juan se fortalecia, tinha um enorme respeito e honra por Deus e era praticante do silêncio e de penitências.

Certo dia, mais especificamente no dia 09 de dezembro de 1531, Juan estava a caminho da Igreja das Missões quando ouviu uma bela canção advinda da montanha. Decidiu parar para escutar a canção e uma voz suave começou a chamar: “Juanito, Juan Diego!”. Assim, foi em direção da voz e viu uma senhora com um rosto sereno que transparecia bondade e compaixão.

“Juanito, o mais humilde de meus filhos, aonde vais?”. Juan respondeu que ia à Igreja, então ela lhe disse: “Eu desejo que um templo seja construído aqui, rapidamente, para que eu possa mostrar todo o meu amor e realizar o que a minha clemência pretende. Vá ao palácio do Bispo e comunica-lhe este meu grande desejo”.

De imediato o índio foi até o encontro com o Bispo. A autoridade não acreditou na história e pediu para Juan voltar outro dia. O rapaz ficou extremamente triste e em outro encontro solicitou a senhora que escolhesse outra pessoa para essa missão. Mas ela disse: “escuta, meu filho caçula: você deve entender que eu tenho vários servos e mensageiros, aos quais posso encarregar de levar a mensagem e executarem o meu desejo. Mas eu quero que você mesmo o faça! Volte amanhã ao Bispo, em meu nome, e novamente diga que eu, pessoalmente, a Sempre Virgem Maria, Mãe de Deus Vivo, lhe ordenei!”.

No dia seguinte, Juan conseguiu conversar com o Bispo e ele lhe solicitou provas que tudo que estava contando era verdadeiro. Logo voltou ao encontro com Virgem Maria e escutou: “Muito bem! Você retornará aqui amanhã, e então levará ao Bispo o sinal pedido por ele. Com isso, ele acreditará”.

Mas houve um imprevisto no outro dia. Juan precisou procurar por um padre para conceder a última benção a seu tio, que estava nos últimos dias de sua vida. A Virgem Maria conversou com ele durante o caminho e garantiu que o tio estaria salvo da enfermidade, pois mãe é mãe e sua família estava sob sua proteção. E solicitou que depois ele fosse até o topo da montanha.

Animado, Juan chegou ao local como prometido, no mesmo dia, e ficou surpreso por ter tantas rosas perfumadas e umedecidas de orvalho no topo da montanha. Ele colheu as rosas, como a Virgem Maria solicitou e levou as flores até ela. Nossa Senhora as organizou no manto do índio e ordenou que mostrasse somente para o Bispo.

Confiante diante do Bispo, o índio relatou sobre as rosas e desenrolou seu manto. E é neste momento que acontece o clímax da história: no manto estava estampada a imagem de Nossa Senhora. A certeza do Bispo foi de imediato, afinal as rosas que o índio carregava tem sua origem na Espanha, mais especificamente na cidade Guadalupe, no continente europeu, continente que o Bispo nasceu. Flores que não são originárias do México. Motivo pelo qual a titulação desta aparição é de Nossa Senhora de Guadalupe.

Cópia original do manto do índio.

Sua aparência é de pele morena com características de uma jovem adolescente indígena, exatamente como a população local, em profunda oração que reflete amor e ternura. Os seus traços eram europeus, um anúncio sobre a miscigenação entre índios e europeus. O nascimento de um novo povo mexicano.

Este manto está guardado até hoje no templo de Tepeyac na Cidade do México e desafia os tempos e os estudos científicos. A imagem que foi impressa de forma milagrosa em um tecido de baixa qualidade continua intacta sem deterioração, mesmo após 490 anos do milagre.

Por fim, foi erguida uma capela, como Guadalupe ordenou, e Juan construiu uma cabana ao lado do templo, local onde viveu até a sua morte. Sendo assim, Nossa Senhora de Guadalupe foi declarada a padroeira da América Latina.


Você sabia dessa história? Tem alguma lembrança da época? Conte para nós!


Gostou desse conteúdo? Deixe seu comentário no campo abaixo! E se você conhece alguma história bacana da sua cidade e quer que ela seja contada aqui, entre em contato pelo e-mail: sugestao.pauta@solutudo.com.br

5/5 - (1 vote)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui