Esse conteúdo é um oferecimento Univem, empresa madrinha que apoia as boas notícias de Lins.

Uma moradora de Lins, de apenas 24 anos, se tornou notícia nos últimos dias. O motivo? Ela viajou até Recife, para doar medula óssea a um paciente 100% compatível com ela. Uma distância de, mais ou menos, 2.199 kms.

Giovanna Venarusso Crosara contou, em entrevista para o portal G1, que fez o cadastro de doadora ao acaso. A estudante de psicologia teria visto uma reportagem sobre um mutirão de cadastros de doadores de medúla óssea Bauru, em 2016, e decidiu participar.

Ela não conhece a pessoa que irá ajudar, mas está feliz em saber que pode ter ajudado a salvar uma vida.

“O tempo todo, principalmente quando eu sentia algumas dores, eu pensava assim: a pessoa que vai receber a medula provavelmente deve ter passado por situações muito mais complicadas.”

É possível se cadastrar, assim como a jovem, para ser doador! O cadastro é rápido e fácil: basta acessar o site Redome, o Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea.

“Em outubro, o Redome me ligou. Disseram que tinha a possibilidade de eu ser compatível com algum paciente, e eu fiquei surpresa. Aí eu precisava fazer um outro exame para confirmar a compatibilidade”, lembra Giovanna.

A jovem foi até o hemocentro de Marília para tirar uma amostra de sangue e enviar os resultados ao Redome. Em dezembro, a equipe retornou a ligação e confirmou que Giovanna era 100% compatível com um paciente que estava precisando de um transplante de medula óssea.

Giovanna foi internada em um hospital de Recife para doar medula  — Foto: Giovanna Venarusso Crosara/Arquivo pessoal

No dia 11 de janeiro, a jovem viajou para Recife, com as despesas pagas pelo programa, para fazer mais alguns exames e, no dia 23, partiu novamente para o estado do Pernambuco com uma amiga para internar e fazer a doação.

A doação foi feita no dia 25 de janeiro. O procedimento leva em torno de 90 minutos e a medula óssea do doador se recompõe em 15 dias.

De volta a Lins a estudante agora vive com a curiosidade de descobrir quem recebeu sua medula, o que só pode ocorrer um ano e meio após a doação, se as duas partes quiserem.

Jovem que viajou 2 mil km para doar medula óssea disse que procedimento valeu a pena — Foto: Giovanna Venarusso Crosara/Arquivo pessoal
Foto: Giovanna Venarusso Crosara/Arquivo pessoal

Fazer o bem sem olhar a quem! Por mais pessoas como a Giovanna no mundo <3

Fonte: Portal G1


Gostou desse conteúdo? Deixe seu comentário no campo abaixo! E se você tem uma sugestão e quer ver ela ela aqui, entre em contato pelo e-mail: sugestao.pauta@solutudo.com.br


Esse conteúdo é um oferecimento Univem, empresa madrinha que apoia as boas notícias de Lins.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui