Desde o ano de 2007, o mundo inteiro celebra no dia 2 de abril o Dia Mundial de Conscientização do Autismo, data reservada pela ONU (Organização das Nações Unidas) para chamar a atenção para o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Estima-se que 1% da população mundial tenha algum dos transtornos do espectro.

Em Jundiaí, apesar de não existirem números oficiais, desde 2013 a Associação dos Amigos do Autista – AMA Jundiaí, criada por um grupo de pais e profissionais ligados à educação, trabalha no atendimento de crianças com TEA.

A AMA Jundiaí realiza trabalhos com crianças de 1 a 12 anos e suas famílias. (Foto: AMA Jundiaí/ Reprodução)

Amigos em Jundiaí

Segundo o fundador da AMA Jundiaí, Antônio Godoy, a associação foi criada para suprir a necessidade da população de Jundiaí e região que não contavam com uma entidade voltada exclusivamente para o tratamento de crianças com autismo.

“Oferecemos aqui para as cerca de 60 crianças de 1 a 12 anos, atendimento nas áreas de Terapia Ocupacional, Fonoaudiologia, Psicologia e Neuropsicologia”, conta Antônio.

O fundador da AMA Jundiaí, Antônio Godoy, com o seu filho, que é autista. (Foto: Arquivo Pessoal/Reprodução)

Declarada de Utilidade Pública Municipal em 2015, a Associação sobrevive do apoio dos pais das crianças assistidas que contribuem mensalmente, além da realização de eventos a longo do ano. A AMA também conta com o apoio de entidades filantrópicas da cidade na realização desses eventos, como também na reforma que está em andamento em sua sede.

Um dos eventos realizados em prol da AMA Jundiaí. (Foto: AMA Jundiaí/Reprodução)

E o autismo?

Antônio explica que TEA reúne desordens do desenvolvimento neurológico presentes desde o nascimento ou começo da infância, como o Autismo Infantil Precoce, o Autismo Infantil, Autismo de Kanner, Autismo de Alto Funcionamento, Autismo Atípico, Transtorno Global do Desenvolvimento sem outra especificação, Transtorno Desintegrativo da Infância e a Síndrome de Asperger.

“O TEA afeta o comportamento do indivíduo, e os primeiros sinais podem ser notados em bebês de poucos meses”, aponta.

Dicas para a Quarentena

Com o atendimento suspenso nesses dias de isolamento, a AMA, por meio de seus profissionais, está enviando orientações aos pais para os cuidados de suas crianças em casa.

Muita paciência e observação ao jeitinho da criança são primordiais nos momentos de brincadeira com os pequenos! (Foto: Pexels/Reprodução)

A fonoaudióloga Célia A. Giubbina Pereira, esclarece no documento que as pessoas do Espectro Autista respondem de maneiras diferentes aos estímulos: “antes de qualquer coisa é necessário lembrar que crianças, adolescentes e adultos com TEA apresentam dificuldades e habilidades com graus variáveis em relação a desenvolvimento social, linguístico, cognitivo,motor e emocional.”

A profissional dá as seguintes dicas:

  • Empregar frases objetivas e curtas, evitar uso de muitas metáforas, palavras e expressões de duplo sentido podem dificultar o processamento da informação e consequentemente a resposta e aprendizagem da criança;
  • Com crianças pequenas, durante a brincadeira basta narrar o que acontece utilizando-se de uma única palavra. Ex: caiu….chuva…. Quando se usa muitas palavras é oferecida para a criança muita informação auditiva;
  • Tente iniciar a interação com crianças que gostam sempre dos mesmos brinquedos ou brincadeiras a partir do que ele gosta e vá ampliando lentamente com coisas novas. Assim você consegue a atenção e a interação da criança;
  • Brincadeiras simples como bolinha de sabão ou cócegas podem proporcionar situações muito importantes em relação ao contato visual e de atividade compartilhada;
  • Incentive seu filho a olhar para você toda vez que chamar. Quando chamar, lhe ofereça algo que realmente goste. Lembre-se quando você chama seu filho e ele não olha não é porque ele não ouviu,é porque ele não tem interesse social.
  • Quando a criança repete a fala de outras pessoas ou de desenhos da TV – a chamada ecolalia -, os pais podem buscar compreender a intenção comunicativa.

    Tente identificar quando, onde e porque ela repete determinadas palavras. É quando quer algo? Durante uma brincadeira? Quando identificada a intenção da criança com a ecolalia pode-se dar função à fala. Por exemplo: a criança fala sempre a mesma palavra quando quer algo, nesse momento abaixe-se na altura da criança e fale o nome correto daquilo que ele quer. Exemplo: “bolacha…você quer bolacha…” e ofereça o item desejado a ela.

Que trabalho bacana e importante, não é mesmo? Procure entrar em contato para conhecer mais da Associação dos Amigos do Autista de Jundiaí e, se puder, faça um esforcinho para também ajudar! A AMA aceita doações de todas as espécies e, com certeza, vidas de dezenas de crianças serão impactadas com o seu gesto de carinho.

Serviço

AMA Jundiaí – Associação dos Amigos do Autista de Jundiaí

  • Endereço: Avenida Humberto Cereser, 2960 – Caxambú
  • Telefones: (11) 4087-2172 / (11) 97119-7857
  • E-mail: amajundiai2013@gmail.com

Gostou desse conteúdo? Deixe seu comentário no campo abaixo! E se você conhece alguma história bacana de Jundiaí e quer que ela seja contada aqui, entre em contato pelo e-mail: sugestao.pauta@solutudo.com.br

1 COMENTÁRIO

  1. Meu filho foi diagnosticado com autista no começo do ano,ele tem 7 anos
    Como faço para ele ter acompanhamento com vocês

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui