Toda cidade, principalmente as do interior do estado, são detentoras de curiosidades das mais diversas situações possíveis. Com Catanduva não é diferente. Por isso, após uma pesquisa profunda sobre a cidade, descobrimos algumas informações que podem fazer você amar ainda mais esta Cidade Feitiço.

Sendo assim, veja abaixo estas curiosas situações e nos conte qual é a sua preferida. E se souber de mais alguma, é só nos informar. Quem sabe, não rola uma matéria parte II, hein?!

Trem de Ferro

Chegou em Catanduva em 1910, em São José do Rio Preto em 1912, em Mirassol em 1933 e em Tanabi em 1941. Até o ano de 1914, os trens chegavam à cidade de Araraquara e ia para Rio Preto. Eram comboios mistos e nas quartas-feiras eram diretos.

Igreja Matriz São Domingos

A sua construção começou em 1919 com a obra liderada por Padre Albino. Em 1925, a autoridade religiosa contratou um pintor, Benedito Calixto, para trabalhos que seriam os motivos que ornamentariam a igreja. Suas pinturas de tela forma um conjunto de alta qualidade artística que complementa a decoração mural, cheia de relevos ornatos. Um templo maravilhoso que valoriza o patrimônio história. E desde 1965, a Matriz faz parte do roteiro turístico do Estado de São Paulo. É só orgulho do município!

Foto: site TripAdvisor

A revolta de 1924

Mais conhecida por Tenentismo, bombardeou São Paulo capital e muitos refugiados vieram para Catanduva. Aqui, queriam abrigos para fugir do movimento do Tenente João Cabanas que protestava contra corrupção do Governo Federal e pedia a deposição do Presidente Arthur Bernardes. Estes migrantes ficaram em barracas próximas a Estação.

Foto: São Paulo in Foco

A imprensa

Em 1930, os jornais de Catanduva eram os “A Comarca”, “O Diário”, “Pierrot”, “Arlequim”, “O Comercial”, “Folha do Povo”, “O Corneta” e “A Cidade”. Em 1934, havia dois jornais em castelhano, o “El Heraldo” e a “A Voz da Espanha”. Chique, né?

Indústrias Reunidas Fábricas Matarazzo

Chegou na cidade em 1936 e o Conde Francisco Matarazzo estava presente. Uma empresa do ramo de frigorífico, metalúrgica, têxtil, bebidas, navegação, comércio e outros setores. Em uma noite, a sociedade italiana “Gabriele D’Annunzio” participou de uma reunião cívica e o Conde foi saudado como o homem que trouxe produção, emprego e riqueza de um patrimônio estipulado em 20 bilhões de dólares, naquela época.

Foto: Facebook Indústrias Reunidas Fábricas Matarrazzo-IRFM–Memória e Preservação

Foto de capa: Prefeitura Municipal de Catanduva/Diário da Região


Interessante, não é mesmo? Deixe a sua opinião nos comentários!


Gostou desse conteúdo? Deixe seu comentário no campo abaixo! E se você conhece alguma história bacana de Catanduva e quer que ela seja contada aqui, entre em contato pelo e-mail: [email protected]

4/5 - (1 vote)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui