Silenciosamente, uma das mais importantes construções do Centro Histórico de Botucatu vem passando por um processo de restauração que além de contribuir para recuperação de suas características originais, também proporcionará mais funcionalidade para seu uso no dia a dia.

Estamos falando do prédio da Caridade Portuguesa Maria Pia, instituição fundada em 1901, com a finalidade de promover assistência aos necessitados da grande colônia lusitana que se formou na cidade.

Apesar de imponente, o edifício construído em 1906, em uma parte da chácara do comerciante Antonio Ferreira da Silva Veiga Russo, abriga apenas a fachada do que era para ser o Hospital Santo Antonio. A proposta original foi abandonada depois que os portugueses resolveram somar esforços com outras colônias para construção da Santa Casa de Misericórdia.

Ecletismo do início do século XX influenciou arquitetura do prédio
Foto: Museu Histórico e Pedagógico Francisco Blasi

Ainda no começo do século passado, o imóvel abrigou a Escola de Farmácia e Odontologia de Botucatu, que funcionou por apenas três anos. Por um período também foi a sede da Câmara de Vereadores da Cidade e do Vice-Consulado de Portugal em Botucatu. Atualmente encontra-se sem uso definido e parcialmente conservado.

Época em que o prédio abrigou a Câmara de Vereadores
Foto; Museu Histórico e Pedagógico Francisco Blasi

RESGATE E NOVO USO

O interesse no restauro partiu da Caridade Portuguesa Maria Pia pelo fato da edificação apresentar enorme importância enquanto memória viva da história de Botucatu, por intervir em sua época áurea, no espaço e na dinâmica urbana.

A arquitetura do imóvel representa um período da história local, que se relaciona intimamente com as correntes do Ecletismo no Brasil do começo do século XX. Assim que estiver pronto, o prédio deverá abrigar um Centro Cultural direcionado às manifestações não apenas da cultura portuguesa, mas da cidade de forma geral.

O projeto de restauro leva assinatura dos escritórios de arquitetura de Ludmilla Tidei de Lima, de Bauru e de Paulo Bassetto, Arquitetura e Urbanismo de Botucatu. As obras estão a cargo da Mulotto Construções Civis, também de Botucatu. Um amplo levantamento histórico, documental, fotográfico, métrico, arquitetônico, construtivo, das alterações ao longo do tempo, de patologias embasou a proposta de restauração.

O projeto propõe a recuperação das características arquitetônicas das fachadas frontal e laterais, com objetivo de valorizar a arquitetura eclética com ênfase no estilo clássico do início do século XX e sua relação com a imigração portuguesa.

Externamente serão recuperados traços do jardim original, fazendo pequenas intervenções para atender às necessidades do novo uso. Internamente está prevista a recuperação do piso, assim como do forro, preferencialmente respeitando os desenhos originais.

O layout mantém a amplitude do salão principal, no pavimento superior, fazendo pequenas intervenções que são de extrema necessidade para o novo uso, como a implantação de dois sanitários acessíveis e a reabertura das portas da fachada dos fundos, que foram transformadas em janelas. O prédio também ganhará elevador.

Amplitude do salão principal será preservada
Foto: Carlos Pessoa

Já foi feito o reforço da fundação, troca do piso do salão e criado acesso interno do subsolo ao salão. As próximas etapas a serem vencidas envolvem rede elétrica e troca de piso no subsolo. Não há data estimada para a conclusão dos trabalhos.

Subsolo, antes praticamente inutilizado, ganhará aproveitamento
Foto; Carlos Pessoa
Previsão é que a área dos fundos ganhe portas, resgatando projeto original
Foto: Carlos Pessoa

Gostou desse conteúdo? Deixe seu comentário no campo abaixo! E se você conhece alguma história bacana de Botucatu e quer que ela seja contada aqui, entre em contato pelo e-mail: sugestao.pauta@solutudo.com.br

2 COMENTÁRIOS

  1. Sensacional!Botucatu só ganha, com este belíssimo prédio que será restaurado e com a Solutudo sempre pronta a nos informar!Valeu!!!!

  2. Preservar a história é a melhor maneira de nos conhecemos.
    Uma dica é fazer um documentário do antigo Plimec, onde eu estudei quando era criança.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui