Nesse final de semana, nos dias 18 e 19 de maio Botucatu receberá oficinas de percussão e dança africana com Djanko Kalaban Kamara e o grupo Banhá Foli. A realização dos eventos, que serão desenvolvidos na Demétria e no Mirante das Artes, é da Zion Drum Estúdio Percussivo e Mirante das Artes.

No dia 18 de maio, sábado, às 15 horas, acontece a Oficina de Percussão, na Casa da Cultura Ocaci, estância Demétria.

A oficina de percussão tratará dos temas: – Conhecendo o Instrumento – Djembe e Dununs; Exercícios de aprendizado – técnicas para tocar os instrumentos e aprendendo um ritmo africano – vivência percussiva de roda de tambores

Já no dia 98 de maio, domingo, será realizada a Oficina de Dança, no Mirante das Artes, a partir das 9 horas.

Na oficina serão abordados os seguintes tópicos: Conhecendo a Dança Africana Malinkê – Movimentos e Expressão Corporal; Ritmo tradicional africano – Aprendendo a dança através de um ritmo africano; Cantos e contos – Conhecer e cantar para compreensão da cultura Malinkê.

As atividades são independentes, o participante pode se inscrever de ambas ou em apenas uma das oficinas. O evento é voltado a pessoas de qualquer idade e sexo. Atendendo também quem nunca teve contato com a música ou dança africana.

Objetivo é proporcionar uma vivência inesquecível

O objetivo da oficina é proporcionar vivência onde os participantes terão a oportunidade de conhecer instrumentos como o djembe e dununs, aprender os fundamentos e ritmos, conhecer um pouco da história e da música percussiva de origem africana.

Também vai trabalhar aspectos de seu Ser como a concentração, relaxamento, postura física, respiração, alegria, energia, entre tantos outros benefícios para o Corpo, Mente e Espírito.

O investimento para cada oficina é de 70,00, o pacote de participação para as duas oficinas sai por R$ 110,00.

O dançarino

Dançarino, Coreógrafo, Músico e Cantor, Djanko nasceu na região de Faranah, na Guiné. Aos 5 anos de idade começou sua formação nas artes e tradição Mandinga, sendo a dança sua especialidade.

Ainda jovem mudou-se para Conacry, capital da Guiné, para receber uma completa formação junto aos melhores mestres e companhias de dança. Durante 7 anos integrou o Ballet Bangoura, considerado o melhor dançarino mandinga de todos os tempos. Reconhecido como virtuoso, Djanko foi chamado a participar do ballet nacional “Les Ballets Africains” durante um ano.

Posteriormente passou a ser parte do “Ballet Nacional Djoliba”. Junto a Djoliba viajou por vários países da África e Europa, durante os seis anos de sua participação com artista ativo da companhia, sendo o primeiro dançarino em muitas obras de Djoliba.

Atualmente reside no Brasil, em Sta Catarina, é diretor artístico da produtora “África Raízes Internacional”, idealizador do “Stage Camp África Raízes”, o Festival mais importante da Cultura Mandinga na América Latina, é cantor e músico do grupo AfroBeats Mandén Baro, ministra oficinas de dança, percussão, canto, tradição mandinga e espetáculos por vários países.

O grupo

O Badenhá Foli é uma família, pai e três filhas que pesquisam e tocam música percussiva do Oeste Africano desde 1996.

Trabalham também na criação de instrumentos africanos Djembes e Dununs.

Já realizaram oficinas e apresentações em diversos locais do Brasil e também na Europa participando de grandes festivais como o Rototom Sunsplash

__________________________________________________________________

Gostou desse conteúdo? Deixe seu comentário no campo abaixo! E se você conhece alguma história bacana da sua cidade e quer que ela seja contada aqui, entre em contato pelo e-mail: sugestao.pauta@solutudo.com.br

Avalie este conteúdo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui