A hipnose é uma técnica que ainda desperta a desconfiança de muita gente. Os estereótipos criados pelos filmes hollywoodianos, onde as pessoas “se desligam” de suas mentes ao ver o balanço de um pêndulo, reforçam todo esse sentimento. Mas, não é bem assim.

Na verdade, a hipnoterapia é uma prática reconhecida e regulamentada no Brasil pelo Conselho Federal de Medicina como uma ferramenta de apoio ao tratamento médico desde 1999.

Ainda, em 2018, foi incluída entre os procedimentos de Práticas Integrativas e Complementares (PICS) oferecidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS). No entanto, ainda é pouco difundida, principalmente, no interior de São Paulo.

A hipnose moderna não possui nada de místico, como nos filmes. O hipnoterapeuta mariliense Maurício Wagatsuma, formado pela Omni Hypnosis Training Center (OHTC), de São Paulo, afirma que o processo é feito com o paciente totalmente consciente. A hipnose nada mais é que um estado profundo de relaxamento do corpo e da mente.

“Em nenhum momento você vai dizer algo que não quer, ou vai se esquecer de coisas que aconteceram durante a sessão. A hipnose é um tratamento da pessoa com seu eu interior, e o hipnoterapeuta está lá para guiar, como um GPS”, explica.

O tratamento

A palavra hipnose vêm do grego hypnos, que significa sono. Portanto, o paciente precisa estar relaxado e disposto a realizar o tratamento. As sessões são mais longas que uma sessão de psicoterapia, por exemplo, podendo durar até mais de três horas.

“As sessões são longas mas, na maioria dos casos, em apenas um encontro, já é possível observar os resultados da hipnoterapia. Muitas vezes, o problema desaparece com uma sessão”, explica Maurício.

Segundo Maurício, as únicas doenças e condições que não podem ser tratadas pela hipnose são as congênitas – aquelas com as quais o indivíduo já nasce. O serviço é mais procurado para tratar transtornos como depressão, ansiedade e síndrome do pânico, de acordo com o hipnoterapeuta. Mas, também, pode ser usado para crises de enxaqueca, insônia, alergias, vícios etc.

“O tratamento consiste em reeducar a mente da pessoa para que ela veja o problema de uma forma diferente e, assim, possa resolvê-lo. Eu, como hipnoterapeuta, ajudo a pessoa a trazer devolta os sentimentos da infância, para que ela possa entender o que se passa hoje”, explica.

Após a primeira sessão, Maurício marca um retorno após alguns dias. Neste retorno, ele verifica o estado do paciente, os resultados que atingidos após o tratamento e, se necessário, é feito um reforço com uma nova sessão.

Resultados

De acordo com Maurício, muitos dos problemas trazidos pelos seus pacientes são resolvidos em apenas uma sessão. “Pacientes com casos de depressão profunda, síndrome do pânico e até fibromialgia já conseguiram se livrar dos seus problemas em uma única sessão de hipnoterapia”, comenta.

Um de seus tratamentos mais marcantes, conta, foi o de uma paciente que convivia com a depressão há mais de 20 anos.

“Ela veio para uma sessão e, quando voltou para casa, a família já não a reconhecia. Foi depois disso que ela conseguiu tratar outros problemas de saúde, pois já havia se livrado da depressão que tinha há muitos anos e a estava impedindo de viver sua vida”, conta.

Os resultados tendem a ser positivos e, uma vez livres das angústias, os pacientes conseguem aplicar os conceitos aprendidos durante o tratamento em outras questões da vida cotidiana.

Serviço

O hipnoterapeuta Maurício Wagatsuma atende na cidade de Marília e seu consultório fica na Avenida Santo Antônio, 845. Para mais informações sobre valores e horários para agendamento, basta entrar em contato pelo telefone (11) 94348-9300 ou pelo e-mail [email protected]

Foto: Reprodução

Confira essa e outras notícias da cidade no site da Solutudo Marília!


Gostou desse conteúdo? Deixe seu comentário no campo abaixo! E se você conhece alguma história bacana da sua cidade e quer que ela seja contada aqui, entre em contato pelo e-mail: [email protected]

Avalie este conteúdo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui