A pequena Vila Contente é uma das mais tradicionais e queridas da cidade.

Mas você sabe como ela surgiu e porquê leva esse nome?

De Lisboa para Lençóis

No início do Século XX, Portugal sofria uma crise econômica. Empobrecimento e fome assolavam todos os cantos da terra-mãe, o que levava centenas de famílias a migrarem para outros países afim de buscar um recomeço.

Foi nesse cenário que em 1912 o casal José Maria Contente e Maria Luiza Guardada Contente e seu filho Manuel Contente embarcaram em um navio rumo ao Brasil. Na época Sra. Luiza estava gravida de seu segundo filho e deu à luz a Joaquim Maria Contente durante a viagem.

Se instalaram no bairro do Belenzinho, em São Paulo. Local que ficou conhecido por ser o reduto de vários portugueses imigrantes, e foi lá que Sr. José iniciou seus trabalhos em uma empreiteira que desenvolvia diversos serviços no interior do estado.

Da esquerda para a direita: Deolina, Sr. José Maria, Sra. Maria Luiza / Reprodução – Grandes Famílias de Lençóis Paulista e Macatuba.

Das estradas para o café

A família acabou se aprofundando nos trabalhos da empreiteira e viajando pelo estado em construções de estradas. De carroças os quatro viajaram por várias cidades, até chegarem a jovem Lençóis Paulista, onde se anexaram a fazenda Farturinha e Bocaina. E logo após se fixarem na comunidade sua terceira filha nasceu, Deolinda Contente.

Após os filhos atingirem a vida adulta o casal se mudou para a cidade vizinha, Areiópolis, na década de 1940, onde se dedicaram a agricultura, sobretudo ao plantio de café, e ali permaneceram até seus falecimentos, juntos, no fim daquela década.

Mas o legado da família permaneceu, Manuel e Deolina se mudaram para onde os pais viviam em Areiópolis, e o jovem Joaquim Maria permaneceu na cidade.

Maria Alonso e Joaquim Maria / Reprodução – Grandes Famílias de Lençóis Paulista e Macatuba

O Bar e a mudança de vida

Em 1942 abriu um bar no centro da cidade, o que se tornou sua principal fonte de renda, ali na quadra principal da Rua 15 de Novembro, onde posteriormente funcionou por anos o famoso Bar do Chopp.

Após quatro anos no mesmo endereço, Joaquim decidiu reinstalar o bar na Rua 9 de Julho, onde ao mesmo tempo iniciou sua nova atividade: o comércio de lenha para servir de combustível para as locomotivas da ferrovia Sorocabana. O negócio se expandiu tanto chegando a empregar mais de 40 pessoas, o que rendeu boa fama a família dentre a comunidade.

No início da década seguinte o comércio de lenhas enfraqueceu com a chegada das locomotivas movidas a óleo diesel, o que motivou a família a mudar novamente seu ramo de atuação, agora para a construção civil.

O ponto onde atuava o bar e depois a sedes das fábricas logo foi vendido para a tradicional família Casagrande, mas essa é uma história para outra matéria!

Reprodução: Grandes Famílias de Lençóis Paulista e Macatuba

Em busca da modernidade

Joaquim Maria Contente pode ser definido como um visionário.

Após deixar o comércio e o ramo da construção ainda na metade da década de 1950 o então patriarca da Família Contente decidiu comprar uma chácara aos arredores da cidade, que pertencia a Francisco Capelo, outra figura de uma família tradicional da cidade, mas que também é história para outro dia! 😉

A região era tomada por matagais em todos os lados, e apenas uma grande estrada de terra conectava a cidade com a chácara e uma destilaria de álcool federal.

Percebendo a falta de energia elétrica e de fornecimento de água na região, Sr. Joaquim iniciou a sua própria instalação de rede elétrica e uma construção de uma caixa d’água, no mesmo local onde estão as atuais, construidas pela prefeitura. Tudo com um só objetivo: Lotear as terras que possuía e tornar o local em uma vila moderna.

Caixas d’água que substituiram a construida por Sr. Joaquim, no mesmo local.

A construção e o legado

Para poder finalizar a construção o curso do Rio Lençóis teve de ser modificado ao ponto de não atravessar mais as terras da chácara. Igualmente a ferrovia Sorocabana teve seu curso alterado, tudo para o progresso lençoense!

No fim houve o loteamento, anos após o pontapé inicial de Sr. Joaquim dando início a Vila que emprestou seu sobrenome: Contente. Vila essa que recebeu tantos de nós com tanto amor.

Sr. Joaquim fundou um local repleto de carinho e progresso, foi casado durante toda sua vida com sua amada Maria Alonso Contente e teve nove filhos que perpetuaram seu sobrenome pelo bairro, onde muitos ainda continuaram a viver até hoje, onde gerações carregam seu nome. Muitos sem ao menos imaginar o porquê!

A Vila Contente é amada pelos que lá ainda vivem e pelos que tiveram suas vidas marcadas ao passar por ali.

Reprodução: Grandes Famílias de Lençóis Paulista e Macatuba

E quais histórias e lembranças você recorda da Vila Contente?

Conta para a gente aqui nos comentários!

#solutudodebom

Fonte de consulta e pesquisa histórica: Grandes Famílias de Lençóis e Macatuba – Projeto: Moisés Rocha, Texto: Marcos Paulo da Silva e Conceição Giglioli Carpanezi – Editora Folha Popular.

5/5 - (5 votes)

6 COMENTÁRIOS

  1. Quando criança na década de 50, eu passava com a família em frente à casa dos Contente, que ficava ao lado da destilaria. Era nosso caminho para o sítio dos Baccili, nossos parentes, que ficava ao lado da chácara dos Contente.
    Muito boa essa matéria. Conheci a família, mas não sabia dessa saga.

  2. Sr.Joaquim e D.Maria.. tive o prazer de crescer visinho deles…até hoje desde 1960 meus pais moram vizinhos da casa do Sr Joaquim….eu me criei ali.. conheço cada um da família…. e sabe onde eu estou hoje….. em Loures… ao lado de Lisboa…..

  3. Eu sou ivani silva dos santos por volta de 1960 moravamos em Barra Bonita meus pais trabalhVa com a cana de acucar numa detas entre safra fomos morar em Lencois Paulista e logo na vila Contente por um ano moramos ai que deixou na minha infancia muitas saudades Os Carani fazia um presepio lindo pra gente ver e o Zilo Lorenzete dava de presente acucar para os Lencolense e eu fiz meu terceiro ano escolarai na escota do centro atraz da igreja S jose a minha professora o nome dela me lembro bem Dona Celina Cicone a que saudades dai bons tempos aqueles hj moro em Sorocaba perto de S Paulo

  4. Nossa tenho lembranças muito boas desse bairro nasci lá e morei até meus 17 anos lembro que a família contente tinha um comércio tipo um mercadinho de vila e também eu e meus amigos íamos muito na destilaria pegar manga sempre tinha um senhor que corria atrás de nós só tenho boas lembranças

  5. Nossa tenho lembranças muito boas desse bairro nasci lá e morei até meus 17 anos lembro que a família contente tinha um comércio tipo um mercadinho de vila e também eu e meus amigos íamos muito na destilaria pegar manga sempre tinha um senhor que corria atrás de nós só tenho boas lembranças

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui