Neste período de pandemia pelo qual passamos, muita gente finalmente se deu conta da importância da saúde mental. Os psicólogos foram e continuarão sendo indispensáveis para o equilíbrio da mente, sobretudo nesse ‘novo normal’ que, ao que tudo indica, viveremos daqui pra frente. ⚖

E é por esses e tantos outros motivos que queremos não apenas parabenizar, mas também ouvir as nossas parceiras psicólogas, que com tanta dedicação e profissionalismo cuidam de nossa Jundiaí. ? Elas nos contaram como têm sido os trabalhos em meio à pandemia e suas inspirações para seguirem em frente. Com vocês, as homenageadas do dia: nossas queridas psicólogas! ?

Novos tempos

A psicóloga Patrícia Busnardo concorda que para todo mundo, sem exceção, a pandemia trouxe uma nova realidade. Segundo Patrícia, essa situação nos fez repensar sobre como é viver sem coisas que, até então, grande parte das pessoas consideravam indispensáveis. “Inclusive, para nós psicólogos, tivemos que nos reinventar profissionalmente. Passamos aos atendimentos online, modelo anteriormente não utilizado por muitos, e vimos esse novo modelo funcionar bem. Isso tudo me deixa otimista com o novo normal para os psicólogos, onde teremos uma realidade híbrida, entre atendimentos presenciais e online”, analisa.

A profissional ainda afirma que o cenário atual lhe trouxe um aumento de demanda por atendimentos, e também situações e realidades muito diferentes do que esperava encontrar algum dia, fazendo até com que fosse necessária uma reestruturação de rotinas e estudos de novos métodos e formas para seus atendimentos.

O amor pela profissão e a possibilidade de ajudar o próximo em um momento atípico, sem precedentes! Juntos, faremos um mundo melhor.

Revisão de Conceitos

Essa mudança brusca para os atendimentos online foi muito sentida pela Vanessa Sardisco. Ela, que por muito tempo se esquivou dos atendimentos remotos, experimentou a novidade e já até colhe ótimos frutos! “Eu relutava muito e dizia que não queria fazer os atendimentos desta forma. Até que veio a pandemia e o Conselho Regional de Psicologia liberou os atendimentos online e comecei a atender também. E, bom, tem sido muito bom para mim. Hoje, atendo pessoas do Brasil todo e até da Holanda!”, comemora Vanessa.

Leia também: Exemplo de superação, Vanessa Sardisco mostra o poder da diversidade

A psicóloga afirma que, mesmo quando tudo voltar ao normal, continuará atendendo online, principalmente pelas muitas possibilidades proporcionadas pelo mundo digital. “O país está me conhecendo, com isso ganhei muitos admiradores, muitos contatos e parceiros. Fiz, inclusive, uma live com uma profissional do Rio de Janeiro, muito capacitada e reconhecida até mundialmente. Hoje eu sou uma pessoa que assino embaixo para o trabalho online, e não apenas na psicologia… a pandemia chegou pra eu rever meus conceitos e mostrar pra todo mundo que é possível trabalhar online, e é preciso estar online.”

O que me inspira é ser eu mesma, independente se for presencialmente no consultório ou online! Eu sou apenas uma facilitadora, eu facilito a pessoa encontrar as suas respostas, os seus caminhos. Eu posso ser eu mesma, e ela ser ela mesma. Me inspira também poder falar de inclusão, e à minha maneira.

Importar-se, mais do que nunca

E a gente também sabe que não é pra todo mundo que a pandemia está proporcionando novos horizontes e oportunidades… E é por isso também que o psicólogo existe: para ouvir, apoiar, se importar com quem mais precisa! “Eu fiquei muito preocupada com as pessoas que têm transtornos psicológicos como Ansiedade, Síndrome do Pânico e Transtorno Obsessivo Compulsivo, que são os mais afetados, por serem mais vulneráveis ao contexto atual de preocupações e medos, que vieram junto com a pandemia”, conta Alessandra Baldin.

Leia também: #SemanaSoluSaúde – Saúde Mental com Alessandra Baldin

Ela conta que também teve uma alta demanda de pessoas procurando por seus atendimentos, principalmente por causa de surtos de ansiedade, preocupação e medo. “Medo por eles e pelas pessoas que amam. Vejo que ainda tenho muito o que fazer para amenizar o sofrimento das pessoas, mas com toda certeza, o que tiver ao meu alcance para ajudar, estarei lá”, conclui.

Desde criança eu já dizia que queria ser psicóloga. Hoje, como profissional, o que me inspira é poder contribuir para o bem-estar físico e psicológico das pessoas. O paciente aprende muito com o psicólogo, e o psicólogo também aprende muito com os pacientes. Pensando nisso, a Tsurus foi criada junto com minha sócia Vanessa Oliveira, para criarmos também treinamentos. E isso me inspira: a educação é um dos pontos mais importantes para o crescimento pessoal e para a qualidade de vida.

Aprendizados

Já o caso da psicóloga Elaine Ninzoli destoa um pouco das demais profissionais que você viu até agora. Ela, apesar de não atender em clínica, trabalha com Recursos Humanos, e acaba assim tendo muito contato com muitas pessoas. E sua percepção nesse tempo de pandemia não tem sido diferente das demais psicólogas: mais do que nunca, boa parte das pessoas precisam de um acompanhamento profissional.

“Por conta do isolamento, eu percebo que muita gente começou a ter mais contato consigo mesma. Nisso, pode acontecer que algumas pessoas se deprimam, outras fiquem bravas demais, cansadas demais, até mesmo revoltadas, mas algumas também estão passando por uma revisão de novas possibilidades de trabalho. Eu mesma, estou vivendo a situação de transferir toda minha carga de trabalho para o home office“, conta.

Leia também: Crescimento profissional: bom para o funcionário, bom para a empresa!

E, diante disso tudo, Elaine conclui que este é um tempo sobretudo para aprendizados. “O lado bom, se é possível dizer isso, é que existem pessoas que estão se reinventando, conhecendo características e competências nelas mesmas que elas nem conheciam antes e que agora estão se vendo capazes de fazerem isso. E, daqui pra frente, as pessoas terão isso como aprendizado. Precisamos aproveitar o que está sendo bom disso tudo e não deixar isso pra lá na hora que tiver uma vacina e que tudo passar.”

O que me inspirou a ser psicóloga é que, desde o colégio, eu gostava de lidar com pessoas, sempre tive muitos amigos na escola, sempre gostei muito de ajudar pessoas. Logo no começo da faculdade experimentei a área de Recursos Humanos e gostei muito. Eu tenho um pouquinho de sangue da área comercial, que vem de família, então gosto disso, já trabalhei em vendas, mas nunca desisti de psicologia, sempre esteve ali em paralelo.

Muito legal, né? ? Cada uma, ao seu jeitinho, foram também se superando e se reinventando nessa quarentena. ? Para todos vocês, que cuidam sempre de nós, os nossos mais sinceros e carinhosos parabéns e toda a nossa gratidão! ??

Feliz Dia do Psicólogo! ?Ψ?


Gostou desse conteúdo? Deixe seu comentário no campo abaixo! E se você tem alguma informação bacana de Jundiaí e quer que ela seja contada aqui, entre em contato pelo e-mail: jornalismo.jundiai@solutudo.com.br

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui