Aaah, sonhar. Uma das mais humanas características. Mais humano que isso, quem sabe, seja a consciência e a vontade de tornar reais tais produtos de nossas mentes. E, independente do sucesso ou do fracasso da empreitada, do medo ou do impulso durante a jornada, que alma extremamente humana é necessária para tentar concretizar tal sonho!

Já dizia o poeta português, Fernando Pessoa: “Tudo vale a pena se a alma não é pequena”. E, olha, sem dúvidas que a alma da empreendedora Karina Ribeiro Padovan, de 21 anos, é enorme! E inclusive, você poderá constatar isso nestas próximas linhas e, quem sabe, também se inspirar com essa linda história de persistência, garra e muita oração. 🥰 🙏

Empreendedora nata

Karina garante que a paixão pelo trabalho manual e a vontade de empreender já vem ó, de anos! A jovem empreendedora conta que, ainda nos tempos de escola, já fazia pulseirinhas de miçanga para as amigas. “Fiz algumas vezes mas parei, foi uma coisa do momento mesmo. O tempo foi passando, eu cresci e consegui emprego, mas eu sempre tive vontade de fazer alguma coisa com as minhas próprias mãos.” Essa vontade a levou, por algumas vezes, a abrir seu próprio negócio. Como da vez que abriu seu próprio pet shop, ou de quando montou uma confeitaria. Mas foi de fato no finalzinho de 2018 que Karina encontrou o grande negócio de sua vida!

(Foto: Arquivo Pessoal/ Reprodução)

Como boa católica, muito devota a Nossa Senhora, em dezembro de 2018 ela fez sua consagração pelo método de São Luís Maria Grignion de Montfort, e de uma hora pra outra aquela vontade de fazer algo com suas próprias mãos veio novamente em seu coração. “Desde então, eu sempre ficava com algo dentro de mim me dizendo que deveria propagar a devoção ao Rosário. Eu queria levar o amor de Deus até às pessoas, e com o tempo foi surgindo a minha paixão pelos terços e aflorando a ideia de abrir o ateliê“, conta.

Novos rumos

Karina, no emprego em que estava, não estava feliz, muito menos se encontrando na função que desempenhava. “Era um contrato temporário, mais para o fim do ano mesmo. Então em um dia, conversando com a minha mãe, veio no meu coração que eu poderia muito bem abrir uma lojinha de artigos religiosos, e falei disso a ela. Comentamos um pouquinho sobre o assunto, mas passou.”

E, como em todo bom empreendedor e apaixonado por aquilo que faz, o fogo que ardeu no coração de Karina não foi apagado assim facilmente. Ainda naquele mesmo dia ela foi procurar fornecedores, mas infelizmente não foi assim tão fácil como esperava. “Chegou o fim de dezembro, eles não renovaram meu contrato na empresa e então sai do trabalho. Mas aquele desejo de ter a minha loja ainda estava em meu coração, mesmo não sabendo como que faria isso”, lembra.

No início do Ateliê, as encomendas eram entregues desse jeitinho. (Foto: Arquivo Pessoal/ Reprodução)

“Foi então no Instagram que eu conheci a Bruna Gutstein, uma influenciadora católica que tem até um canal no YouTube. Ela tem um ateliê que vende terços, e eu comecei a ver o trabalho dela, e aquilo foi me despertando novamente aquele desejo, uma felicidade enorme, e ali já pude sentir que era um sinal, como se fosse uma resposta de Deus, de Nossa Senhora de como que deveria começar a evangelizar, como eu poderia começar a propagar essa devoção”, relembra.

Vendo aqueles terços, Karina lembrou-se que na infância sabia fazer pulseirinhas. E, mesmo não tendo tanto a ver uma coisa com a outra, pronto, estava acionado o gatilho para o início da concretização do sonho de se trabalhar com as próprias mãos. “Fui ao YouTube e comecei a ver o vídeo de uma pessoa fazendo um terço, e vi que não era tão difícil de fazer. Em fevereiro de 2019, decidi então comprar o fio e as miçangas que precisava para fazer um terço, a medalhinha e o crucifixo, e finalmente o fiz. Eu vi que dava para ir treinando, e no dia 6 de março de 2019 eu criei a página do Ateliê Totus Tuus no Instagram, e a primeira foto é com esse terço. E foi com esse terço que comecei a divulgar o ateliê”, conta emocionada.

Eis o primeiro terço feito pela Karina, e que inaugurou o Ateliê Totus Tuus. (Foto: Arquivo Pessoal/ Reprodução)

Vivendo e aprendendo

O início do Ateliê Totus Tuus, apesar de ter sido marcado por muita empolgação, não foi nada fácil. “Eu não sabia vender, eu não sabia fazer uma arte legal para publicar no Instagram, eu não fazia stories, eu não sabia realmente nada de marketing digital. Então, por conta disso eu não alcançava muita gente, e consequentemente não tinha muitas encomendas.”

Mas, apesar da pouca procura, nunca lhe faltou apoio por parte de sua família. Tanto é que sua primeira cliente foi sua própria avó! “Foi ela a primeira que comprou um dos meus terços, foi a minha primeira cliente. Era um com continhas verde água, e a medalhinha era a de Nossa Senhora aparecida, a qual é muito devota.” Fora a avó, Karina lembra que era uma encomenda aqui, outra encomenda lá, mas ainda não era um trabalho com o qual conseguiria ter um salário e viver.

O meu quarto era o meu ateliê na época, e eu fazia na minha cama mesmo. Eu me apoiava na minha cômoda, e só depois fui ter uma mesinha. Eu reservei duas gavetas na cômoda para pôr minhas coisas, e era isso. Esse era meu ateliê em março, até o meio de 2019.

Com as vendas em baixa, Karina entrou em uma fase bem complicada, na qual se sentia, em suas palavras, inútil. “Eu terminei meu ensino médio e não fiz faculdade, porque eu realmente não havia me encontrado em curso algum. Então eu não estava estudando, não estava trabalhando com carteira assinada, eu não tinha namorado na época também, então estava bem chateada mesmo. Então decidi procurar emprego para fazer alguma coisa da minha vida, em que eu me sentisse útil.”

Foi então que um grande amigo lhe ajudou a encontrar esse seu último emprego, o qual ficou por 1 ano e meio. “Nesse tempo, eu deixei meu ateliê um pouquinho de lado, mas continuei com a página no Instagram para, caso surgisse alguma encomenda, eu fizesse”, afirma. E foi exatamente nessa empresa que, poucos mais de 3 meses após sua contratação, Karina encontrou novamente forças para perseguir seu sonho.




“Fiz então a Novena de Santa Teresinha, e pedi a ajuda dela para saber se realmente era para eu ter minha loja, se realmente o meu ateliê iria dar certo. E eu pedi muito a ajuda, a intercessão dela nessa situação e eu recebi a rosa, e tomei posse dessa graça, e eu fui então vivendo um dia de cada vez, e entrei cada vez mais em oração. (Foto: Arquivo Pessoal/ Reprodução)

E de pedido em pedido…

Em junho de 2019, a artesã tomou se decidiu que iria voltar com o ateliê, e foi então às compras. Karina conta que na época gastou seu vale inteiro comprando as coisas do ateliê. “Fui fazendo as encomendas, mas nada muito grande, nada muito que realmente desse para eu sair de um emprego que tinha um salário fixo para viver disso.”

Até que um dia, durante o trabalho, uma moça que pertencia a um outro setor estava junto à Karina, trabalhando em seu setor. E conversa vai, conversa vem, surgiu o artesanato como assunto, e a moça começou então a falar sobre os artesanatos que fazia. “Eu comentei que tinha um ateliê de artigos religiosos, e como ela também era católica, encomendou dois terços, um para ela e outro para a sobrinha. E, fazendo aqueles terços, me deu uma vontade tão grande de seguir em frente com o ateliê, de não desistir mesmo, sabe?”

E, de pedido em pedido, passados 6 meses, uma vizinha lhe encomendou 15 terços, para presentear a família no Natal. “Se você for analisar, 15 terços não é tanto, mas aquilo foi o suficiente para eu realmente me decidir que eu queria trabalhar com isso, foi o suficiente pra eu decidir que eu iria ter a minha loja, que eu iria seguir com essa missão, não importava o quanto fosse difícil.”

Olha aí a encomendinha de 15 terços, que a animou de vez para deixar tudo para seguir seu sonho. (Foto: Arquivo Pessoal/ Reprodução)

O sonho se realizou!

Mais uma vez motivada a correr atrás da realização de seu sonho, Karina colocou em prática tudo o que aprendeu nas últimas tentativas, sobretudo na divulgação de seu trabalho. “Deixei minha vergonha de lado e comecei a gravar stories, a gravar vídeos, a fazer umas legendas legais, umas artes legais. Ainda preciso melhorar muito, mas aos poucos isso fez com que meu ateliê crescesse mais e com que as encomendas fossem chegando e aumentando. Comecei a ter clientes em outros estados, dos 4 cantos do brasil, graças a Deus.”

Com a demanda aumentando cada vez mais, o horário que fazia na empresa não lhe permitia maior dedicação ao trabalho do ateliê. E, vendo que dessa vez as coisas estavam diferentes, Karina passou então a colocar na mesa o que queria, quais eram seus planos e sonhos, e se havia finalmente chegado a hora de se dedicar exclusivamente ao que realmente gostava. “Sempre tive esse desejo de deixar o meu emprego e trabalhar somente com o artesanato, mas a gente sabe que não é tão fácil assim. Isso foi ficando mais pra frente, foi sendo adiado, mas esse ano de 2020 meu ateliê foi se tornando muito mais querido em meu coração.”

Eu fui então vivendo um dia de cada vez, entrei cada vez mais em oração nesse sentido. Conversei muito com a minha família, com meu namorado Francisco, e ele sempre me apoiou, minha família também, mas eu fui vivendo um dia de cada vez, um momento de cada vez”

Em junho, após o falecimento de seu avô, Karina decidiu que havia chegado a hora de pedir as contas do emprego e finalmente se dedicar exclusivamente ao seu sonho. “Expliquei toda a situação e, como tinha férias marcadas, vivi mais um tempo de espera. Entrei de férias, e como não estava trabalhando na empresa, foi um mês em que me dediquei totalmente ao meu ateliê. Foi o mês que mais trabalhei e mais vendi, e foi aí que vi que realmente dava para sair da empresa.”

Quando voltou de férias, a artesã estava esperançosa de ser mandada embora, porém não foi o que aconteceu: “Eu vi que naquele dia ninguém falou nada, decidi perguntar e não tive nenhuma perspectiva com a resposta, então quando cheguei em casa decidi pedir eu o desligamento da empresa.” E, no dia seguinte, assim foi feito. “E posso falar com convicção: foi a melhor coisa que fiz na minha vida, porque hoje estou completamente feliz e realizada com o meu ateliê”, completa.

De fato, uma Missão!

A empreendedora, ainda falando sobre seu ofício, observa que ele é muito mais do apenas ser seu sustento, ou simplesmente o fazer terços, colocá-los em uma embalagem e entregá-lo ao cliente. “Esse trabalho é uma missão de evangelização! Ele tem o foco de levar o amor de Deus e o carinho de Nossa Senhora até às pessoas, independente de quem sejam, independente se o terço é pra ela, se é pra presente, independente do que for, essa é a missão do ateliê.”

E olha que essa missão é acompanhada quase sempre de feedbacks, viu? E feedbacks que vão além de ser observações ou elogios ao seu trabalho… “Em maio, mês de Nossa Senhora, junto com as encomendas eu colocava também uma rosa. E uma cliente muito querida, uma amiga que conquistei, falou que quando recebeu o terço e a rosa ela sabia que aquilo era um carinho de Nossa Senhora para ela passar firme pela doença, pela enfermidade contra qual lutava”, conta.

Quando entrego um terço, eu entrego também um pedaço de mim. Porque aquela pessoa pode estar recebendo o primeiro terço da vida dela, ela pode estar recebendo o terço que pode tocar seu coração para rezar, e a partir da oração ela conquistar muitas bênçãos, muitas graças e ir para o Céu.

Além do carro-chefe, que são os terços totalmente personalizados, Karina também vende em seu ateliê chaveiros, decenários para carro, caixinhas personalizadas de presente, imagens sacras e também produtos da Canção Nova, como livros, crucifixos e medalhas. “Com os terços, além de ir um livrinho ensinando a pessoa a rezá-lo, vai acompanhando um bilhetinho, escrito à mão por mim para cada cliente. Na folhinha do bilhete tem a mensagem e atrás tem a imagem de Nossa Senhora que a pessoa pode colocar em um quadrinho, colar em algum lugar, ou deixar guardado mesmo. E, por fim, a sacolinha do ateliê, que é toda personalizada, feita com muito carinho.”

Eu tenho uma gratidão enorme a Deus, a Nossa Senhora, a Santa Teresinha e a todos os meus Amigos do Céu. É uma grande graça poder trabalhar com isso, poder ajudar as pessoas. É maravilhoso, é incrível.


Gostou desse conteúdo? Deixe seu comentário no campo abaixo! E se você conhece alguma história bacana de Jundiaí e quer que ela seja contada aqui, entre em contato pelo e-mail: jornalismo.jundiai@solutudo.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui