Muito provavelmente, alguma vez na vida, você já esteve envolvido em algum trabalho voluntário, seja realizando-o ou mesmo beneficiando-se dele. De forma espontânea, sozinha ou com os familiares e amigos, com a sua igreja ou mesmo por meio de uma ONG, muita coisa boa é realizada em nossas cidades graças a pessoas que dedicam seus preciosos tempo e recursos para cuidar dos mais necessitados. ?

E, neste Dia Nacional do Voluntariado, queremos homenagear uma das muuuuitas jundiaienses que gastam sua vida em prol de um mundo melhor: nossa querida Milene Lima, que inclusive trabalha conosco aqui na Solutudo! ?? Para ela, o ser voluntário tem uma dimensão até mesmo sobrenatural… Vamos lá conhecer um pouco mais da história da Mi? ?

Experiências da vida

Para entender melhor o que motiva Milene a dedicar sua vida a ajudar pessoas, é necessário voltarmos no tempo. Hoje, com 24 anos, a Assistente de Relacionamento da Solutudo conta que sua infância não foi fácil, principalmente pela separação de seus pais, ainda quando tinha 2 aninhos. “Foi complicado não só pra mim, psicologicamente e financeiramente falando, já que minha mãe teve que assumir as despesas da casa, como contas e o aluguel.”

Morando apenas com a mãe, foi nesse período de dificuldades em casa que sua mãe precisou pedir ajuda aos Vicentinos, que é como são chamados os ‘voluntários’ da Sociedade de São Vicente de Paulo (SSVP), organização civil da Igreja Católica que auxilia de forma material e espiritual os mais necessitados. “Eles vieram e, por um tempo, nos ajudaram. Como eu era criança, não entendia muito o motivo das visitas em casa, porque pra mim eles só iam fazer a entrega da cesta básica. Eu achava que era só porque gostavam da gente”, diverte-se. ?

E, mesmo não entendendo muito bem toda a dificuldade enfrentada em sua casa, muito menos a ajuda prestada por aqueles voluntários, ficou marcada na vida da Milene o sentimento de gratidão e a vontade de um dia poder retribuir todo o bem realizado. ?

Um chamado de Deus

E foi assim, sendo ajudada, que brotou em seu coração a vontade de também ajudar. “Desde criança gostei de ajudar as pessoas. Estava o tempo todo ajudando vizinhos e amigos, além de sempre dividir o que eu tinha com quem precisasse. Isso se deu muito por ver os meus pais ajudando os outros e pelos meus padrinhos que sempre me ensinaram e ensinam até hoje a fazer o bem e dar o meu melhor em tudo. Eu nunca tive a experiência de saber que eles negaram ajuda a alguém ou deixaram de fazer o bem. Eles ensinam isso pra todos que passam por eles, seja da família ou amigos, e isso me inspira demais.” ?

Leia também: O amor que resiste ao tempo: há 60 anos, eternos namorados!

Como cada coisa acontece no seu tempo, os anos se passaram, e finalmente em 2015 a Milene conseguiu concretizar aquela antiga vontade de retribuir aos Vicentinos todo o apoio prestando em sua infância. “Nesse ano, eu fui convidada por um amigo a participar de um encontro de jovens chamado “Ágape”, e eu não sabia, mas aquele encontro foi realizado pelos jovens Vicentinos de Jundiaí. E foi ali onde enxerguei a hora de retribuir aquela ajuda que eu havia recebido”, afirma.

A partir desse encontro, Milene optou por também participar com os Vicentinos, e desde então se apaixona a cada dia pelo trabalho realizado. “Esse foi um chamado de Deus em minha vida, e tem sido a melhor escolha que já fiz.”

Histórias que marcam

Nestes 5 anos como Vicentina, Milene já teve a oportunidade de conhecer inúmeras pessoas, realidades, histórias, e pôde trocar as mais diversas experiências. “Eu pude fazer um trabalho muito legal em que os jovens se uniam para ir às ruas uma vez por semana e fazer uma “visita” aos moradores em situação de rua. Não íamos para levar nada material, mas sim, para levar os nossos ouvidos e uma conversa amiga. Em meio a essas conversas a gente acaba se familiarizando mais com um ou outro, e isso aconteceu comigo”.

Leia também: A caridade que inspira: conheça a história da Elaine e o seu trabalho pelos mais necessitados de Jundiaí

A Vicentina conta que ficou muito próxima de um desses moradores, que tinha problemas com o alcoolismo. Ela mesma chegou a entrar em contato com o pai do rapaz e, por fim, se tornando até amiga da família. “Por várias vezes levamos aquele homem para ficar em clínicas de reabilitação, mas ele sempre saía e voltava ao vício. E, um dos dias mais emocionantes pra mim, foi quando depois de muito tempo sem contato, por uma ligação de vídeo me contou que estava morando em uma casa, tinha encontrado uma companheira e me disse o seguinte: ‘Vem aqui na minha casa, agora eu tenho quarto de hóspedes e você pode dormir aqui!'” ?

Pra mim é emocionante até contar isso, porque não tem alegria maior do que saber que uma pessoa está em uma situação melhor.

E você acha que o espírito de caridade esfriou nesse tempo de pandemia? Jamais! Tomando todas as medidas de proteção necessárias, Milene conta que os jovens assumiram diversas atividades para que os Vicentinos dos grupos de risco se cuidassem e, desta forma, não prejudicar o andamento dos trabalhos. “Foi e tem sido uma experiência muito legal pra mim, pois estamos em uma parceria com a Prefeitura de Jundiaí, realizando a entregas das cestas básicas às famílias mais carentes.”

Ainda segundo ela, essas entregas das cestas básicas acontecem de duas formas: em pontos de entrega já determinados, para que ocorra de forma eficaz quando as famílias têm fácil acesso, e na própria casa dos assistidos, quando é o caso de bairros mais afastados. “No primeiro mês de entrega me marcou muito chegar em casas que a família não tinha nada pra comer e, ao saber que estávamos indo entregar uma cesta básica, faziam enormes agradecimentos e pediam a Deus que nos abençoasse. Acredito que não tenha maior retribuição do que saber que você está fazendo a diferença na vida de alguém, e é por isso que eu amo o meu trabalho junto aos que mais precisam”, completa.

Na SSVP nós usamos uma frase do Papa Francisco que diz: “A caridade é simples: Adorar a Deus e servir ao próximo”. Isso pra mim mostra que a caridade é simplesmente tudo!

De mais, né? ? Assim como a Milene, existem milhares de pessoas que fazem a diferença todos os dias nos lugares onde vivem. Para elas todas, os nossos mais sinceros agradecimentos e toda nossa gratidão! ??


Gostou desse conteúdo? Deixe seu comentário no campo abaixo! E se você tem alguma informação bacana de Jundiaí e quer que ela seja contada aqui, entre em contato pelo e-mail: jornalismo.jundiai@solutudo.com.br

1 COMENTÁRIO

  1. Parabéns Milene, quem mais recebe é sempre o voluntário, aprendemos muito, conhecemos pessoas, trocamos experiência.s e muito mais.
    Realmente: ” a alegria é maior em dar do que em receber”! Só quem vive a experiência para saber o grande significado dessa frase!
    Continue perseverante ! Muitas bençãos para ti!
    Parabéns equipe solutudo!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui