Talvez uma das questões mais intrigantes que o ser humano tenha seja aquela expressa na famosa frase: de onde viemos e para onde vamos? Olha, talvez você nunca tenha pensado nisso, ou tenha até já refletido sobre, mas quando falamos na Dona Darcy e na história da Família Saccomani, parece até que essas questões já foram resolvidas, viu?

Darcy Saccomani dos Santos, em seus 85 anos de vida, já criou seus filhos e ajudou a criar os netos! ? Mulher batalhadora, foi costureira, dona de casa e trabalhou muito, mas muito mesmo com a terra, ao ponto de ajudar a construir sua casa – que levou cerca de 12 anos pra ser construída – e até a resgatar o patrimônio da família: a produção centenária da uva Catawba, variedade trazida por seu avô da Itália. ?

A imagem pode conter: comida

Família típica

A história de Dona Darcy é muito semelhante a de muitos outros jundiaienses: em 1885, seus avós Luize e Pellegrina Saccomani vieram de Gênova, na Itália. Na bagagem: sonhos, esperança de uma vida nova e uma mudinha da uva Catawba, originária dos Estados Unidos e que já era cultivada na Itália naquela época. Assim que chegaram em Santos, logo vieram para Jundiaí. Na cidade, o casal teve 6 filhos e um reinício duro em um pedacinho de terra ali na Vila Arens, na rua Princesa Isabel.

Enquanto os avós e o seu pai, Francisco, o único homem entre os 6 filhos de Luize e Pellegrina, cuidavam do cultivo da uva, Darcy logo aos 11 anos começou a trabalhar em uma padaria. Aos 19 casou-se com Olavo Barbosa dos Santos, e por 33 anos teve um casamento respeitoso e apaixonado, até tornar-se viúva aos 52 anos de idade, com dois filhos.

Dona Darcy conta que seus filhos lhe deram duas netas, que por sua vez lhe presentearam com um bisneto e uma bisneta, suas maiores alegrias na vida. “Tive um relacionamento muito intenso com elas na infância. Buscava na escola, fazia festas de aniversário, doces, até roupinhas… Quando crescem, se formaram, casaram e seguiram suas vidas, me dando até bisnetos“, conta emocionada. ?

Resgate das raízes

“O nono trouxe as mudas de Gênova e meu pai, Francisco Saccomani, continuou a produção aqui até 1970. Foi quando assumi“, conta toda alegre e orgulhosa de suas raízes. E o ano de 1970 foi marcante não apenas para Dona Darcy, mas para toda a família: foi quando a filha do seu Francisco se mudou para um sítio no Horto Florestal, e levou junto consigo uma mudinha da uva que seu avô, há quase 100 anos, havia trazido da Itália.

E cuidou até o ano de 2014, quando chegou a hora de passar a 2ª geração das uvas Catawba ‘brasileiras’ para a nova geração da família Saccomani. Desde então, foi a vez de seu filho José Eduardo a tocar a tradição centenária da família e inovar!

Ele preparou na propriedade da família um novo terreno para aumentar o cultivo: no primeiro ano eram cerca de 100 pés, herdados de sua mãe; no ano seguinte, já eram 600 pés. Atualmente, a família já perdeu as contas de quantos pés estão plantados em sua produção de 10 hectares – que equivale a quase 10 campos de futebol. ?

Terra da Uva e de Darcy

Com o futuro da família garantido por seu filho, netos e bisnetos, hoje Dona Darcy apenas agradece a Deus pela vida que teve. A jundiaiense cultiva amizades por toda a cidade, afinal, é filha desta terra e já morou em dois bairros. Conhece – e ama! – praticamente tudo daqui. “Estudei no tradicional Grupo Escolar Coronel Siqueira de Moraes – onde hoje fica a Pinacoteca -, morei até 1970 na Vila Arens, outro lugar tradicional de Jundiaí e recomecei praticamente minha vida aqui no Horto Florestal. Gosto muito mesmo daqui, das amizades, da minha família, enfim, da minha vida“, completa. 

Olha, eu sou muito ligada a essa terra onde nasci, fui criada e ainda vivo, com muita alegria. Amo esse lugar, as belezas e maravilhas de Jundiaí. É, de fato, uma cidade muito abençoada e bela! 


Gostou desse conteúdo? Deixe seu comentário no campo abaixo! E se você conhece alguma história bacana de Jundiaí e quer que ela seja contada aqui, entre em contato pelo e-mail: jornalismo.jundiai@solutudo.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui