Você pode ter 10, 20, 60 anos de idade. Ao menos uma vez na vida você leu uma revista de história em quadrinhos, não é verdade? Sei lá, pode ser aquelas gringas da Marvel ou da DC, e até as brasileiríssimas Turma da Mônica ou a do Sesinho (quem nunca! haha), mas pelo menos você já viu a capa e deu uma folheada. ?

Mas você já ouviu falar do Dia do Quadrinho Nacional? Siiim, existe uma data para homenagear a nossa produção de HQ’s! ? Que é ó, muito bacana e que tem muita história.

A data foi escolhida porque foi no dia 30 de janeiro de 1869 que o cartunista Angelo Agostini publicou a primeira história em quadrinhos brasileira: “As aventuras de Nhô-Quim, ou Impressões de uma Viagem à Corte”.

Saca só como ela é:

Imagem destaca a primeira HQ brasileira, de autoria de Ângelo Agostini. Na parte superior, uma breve descrição da história.
Primeira história em quadrinhos brasileira, datada de 1869, e veiculada em um jornal do RJ. Clique na imagem para aumentar. (Foto: Wikimedia/Reprodução)

Segundo o desenhista jundiaiense Ede Galileu, um dos clássicos brasileiros é o Raio Negro, criado em 1963 pelo desenhista Gedeone Malagola, que morou em Jundiaí. “Também gosto muito do Crânio, criado por Francinildo Senna, e da Jaguará, heroína indígena criada por Altemar Dutra”, afirma.

Liga Jundiaiense

É isso mesmo: Jundiaí pode se orgulhar de ter seus próprios heróis de histórias em quadrinhos! Isso foi lá em 2009, quando Ede, com mais alguns amigos, colocaram a Liga Jundiaiense de Super-Heróis no papel, e lançaram a primeira edição da revistinha. ?

“A Liga nasceu em um bate papo entre mim, Rodolfo Bonamigo e Hugo Nanni, quando pensamos em fazer uma equipe que representasse os defensores de Jundiaí. Começamos a pensar em heróis para compor a equipe e alguns deles, criamos juntos”, afirma.

Capa da revista, lançada em 2009, e motivo de orgulho para Jundiaí, principalmente no Dia do Quadrinho Nacional. (Foto: Guia dos Quadrinhos/Reprodução)

Aliás, os personagens que compõem a Liga do Jundman, rapaz que ganhou super poderes após beber um suco de uva à Taru-Man, a árvore alienígena da Serra do Japi e que tem seu nome inspirado no bairro do Tarumã, são a cara de Jundiaí. Acho que só ficou faltando mesmo o Homem Coxinha, né não? #ficaadica ?

Da terrinha

Ede Galileu, que é jundiaiense da gema, conta que a arte sempre esteve presente em sua vida: “é de família! Meu pai também é artista, e essa sua paixão pela arte me incentivou. Minha mãe sempre me trazia quadrinhos da Disney e Turma da Mônica. Isso basicamente me ensinou a ler“.

A fascinação pelos quadrinhos, que também sempre fizeram parte da vida de Ede, tomou uma proporção aos 12 anos, enquanto participava de um evento no Parque da Uva. “Eu lembro como fiquei encantado quando peguei nas mãos a revista Homem Aranha 95, da Editora Abril. Ela estava distribuindo algumas revistas gratuitamente”, recorda.

E vem coisa boa por aí! Pelo jeito, vem HQ do Homem Chiclete, personagem criado por Ede para fazer parte da equipe da Liga Jundiaiense. “Queria criar um personagem que tivesse poderes elásticos, principalmente porque o Hugo Nanni é fã do Homem Borracha. Meu irmão sugeriu Chiclete, gostei da ideia e desenvolvi sua origem e personalidade.”

O ‘Homem Chiclete’, personagem da Liga Jundiaiense e de autoria de Ede. (Foto: Arquivo Pessoal)

E você, gosta de ler quadrinhos? Quais lembranças as histórias em quadrinhos já te proporcionaram? Conta pra gente aqui embaixo nos comentários, e feliz Dia do Quadrinho Nacional! 🙂


Gostou desse conteúdo? Deixe seu comentário no campo abaixo! E se você conhece alguma história bacana de Jundiaí e quer que ela seja contada aqui, entre em contato pelo e-mail: sugestao.pauta@solutudo.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui