*Texto de João Figueiroa

O primeiro jardim público de Botucatu foi na praça XV de Novembro. Você sabe onde fica?

Dela restam poucos sinais. Inaugurada na virada do século XIX para XX a praça representou muita coisa, para muita gente, inclusive, a certeza de que o município já acumulara um grande orçamento para investimentos públicos.

No Jardim, existiam alamedas, coreto, caramanchão com primaveras – que entrelaçavam seus ramos com as varas de sustentação – bancos distribuídos pelos caminho. Dentro deles, outras ramagens e coqueirinhos centralizados, contornados por arbustos menores.

Porém, o toque principal, era o coreto. Feito de madeira e com franjas para acabamentos da cobertura ao estilo da época, deveria receber nas tardes dos domingos o máximo de famílias que iam ali passear, conversar e distrair-se com as músicas das bandas que aqui existiam. Por essa época, já existia a Banda de Pedro Soares, conhecido pelo chamamento de Pedro Músico (Euterpe Botucatuense), seguramente. Era ela que tocava nas tardes de domingo.

  Na época, a cidade era diferente, e subia a encosta leste, formado pelas avenidas Dom Lúcio/Santana, buscando ficar junto aos serviços que já estavam ali disponíveis desde os anos 90 do século XIX: a Câmara/Cadeia (num prédio hoje demolido, de dois andares, e que ficava onde está a portaria do BTC), o Grupo Escolar Cardoso de Almeida (prédio erguido em 1896 e funcionando desde março 1897, embora a escola estivesse em outro lugar desde 1895), a Igreja Matriz (um prédio hoje demolido, que ficava bem no meio da praça da Catedral, com sua frente voltada para a Vila dos Lavradores e funcionando desde 1897).

       Entre a Amando de Barros (na época Rua do Riachuelo ou do Comércio) e a esplanada  das escolas, (a nossa Acrópole como dizia o arquiteto Eugênio Monteferrante) foram sendo erguidos bangalôs ao longo das novas ruas que se abriam: a de Cima (depois Cesário Alvim e hoje João Passos), a Rua Áurea, depois Itapetininga e depois ainda Cardoso de Almeida) e a novíssima Rua General Telles. Todas sendo ocupadas lentamente pelo casario da época.

       Foi para completar esse pontuado de casas novas, chácaras e bangalôs (casas pequenas, de um só andar, com varandinhas à frente), que o Jardim Público foi construído. Exatamente á frente do novo prédio da Câmara/Cadeia, inaugurado em 1898. Uma cereja no bolo, que adornava a ocupação diferenciada da encosta.

       Entre a Casa da Câmara e o Jardim Público, existia uma alameda, onde hoje está o começo da Siqueira Campos (que ainda não tinha esse nome, pois não estava aberta. Era uma alameda, onde se anda a pé).

       Tudo isso era a praça XV de Novembro, nome que ainda conserva nos papéis das residências de seu entorno, hoje muito poucas.

       Mas, o que aconteceu para que desaparecesse?

       Essa é uma outra e interessante história. O Jardim Público, que havia sido palco de tantos encontros, namoros e presença de casais, teve uma parte dele doada à Diretoria dos Correios, já que, no final da década de 1930, a instituição federal estava exigindo do município um lugar próprio, para construir sua sede e ampliar seus trabalhos. Até 1940, os Correios e Telégrafos ocupavam o andar térreo de um prédio que fica na confluência da Amando de Barros com Siqueira Campos. Exatamente onde foi o famoso Bar Colosso. Terminado o prédio e inaugurado, suas instalações mudaram-se para os altos do espigão.

       O que sobrou ficou sendo o restante do Jardim Público, depois de desmontarem o coreto e criarem uma caixa de areia, para que as crianças brincassem. Ficou sendo o “areião”, da molecada, nas peladas de final de tarde. Os canteiros continuaram os mesmos. O caramanchão, o mesmo também. Mas os tempos eram outros.  

       Ainda nos anos 30 a alameda virou rua e ganhou o nome do tenente Siqueira Campos; o prédio da Câmara/Cadeia, que virou Centro de Saúde, foi demolido em 1963 ou 1964, e o restante do Jardim Público, menor, mas ainda ostentando sua exuberância, foi dividido e entregue a três entidades culturais, já nos anos de 1950.

        Para ali pretendiam ir os Estudantes da Liga Estudantina Botucatuense (LEB), agraciados com o espaço onde foi construído o prédio anexo e novo dos Correios, o mesmo prédio onde hoje ficam os fundos da Prefeitura. E, na frente, na Praça XV, a que hoje parece ser uma continuação da rua General Telles? Bem, duas entidades queriam ocupar o que restou da Praça XV, Uma, havia perdido sua sede quando do incêndio do Teatro Espéria, ocorrido na manhã de 21 de setembro de 1951. E a outra queria ter uma sede própria. Eram, o TAENCA, uma entidade teatral cujo estatuto dizia que a plenária de decisões seria sempre o terceiro ano da Escola Normal. E o Centro Cultural de Botucatu, o CCB, que ocupava com sua biblioteca os altos do Teatro Espéria, quando do incêndio.

       A Liga Estudantina nunca construiu e seu terreno foi revertido ao município e doado, também, para os Correios. E as outras duas entidades (TAENCA e CCB) acabaram por construir suas sedes, nos lugares a elas determinados. O TAENCA cedeu o prédio sob contrato, por muitos anos, à Empresa Teatral Peduti, que abriu o saudoso Cine Neli, que ficou sendo nosso único cinema no pior da crise do ramo cinematográfico brasileiro. E o CCB construiu seu prédio com recursos próprios e está no mesmo lugar até hoje, com sua Biblioteca, cedendo, em 1987, sua parte de cima para a OAB poder ter uma sede, também.

       E…a Praça XV? Bem, hoje ela é apenas uma doce lembrança. Se ainda não arrancaram, a placa sinalizadora de sua existência está lá, na esquina da rua Moraes Barros.


Gostou desse conteúdo? Deixe seu comentário no campo abaixo! E, se você conhece alguma história bacana da sua cidade e quer que ela seja contada aqui, entre em contato pelo e-mail: bianca.camargo@solutudo.com.br

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui