Esse conteúdo é um oferecimento da Proeste, empresa referência no segmento automotivo e que apoia as boas notícias em Botucatu.

A famosa Igrejinha de Santo Antônio, em Rubião Júnior, é o ponto turístico mais visitado em Botucatu. Com seu estilo medieval, o local atrai dezenas de pessoas todos os dias, interessadas em um cenário perfeito para bons cliques, ou buscando apenas contemplar o maravilhoso pôr do sol.

Desde a sua existência, a Igreja coleciona inúmeras histórias e curiosidades. Confira algumas que nós separamos para você:

Castelo Medieval

O formato da Igreja é no estilo medieval. Essa foi uma maneira que o construtor encontrou para homenagear seu país de origem, tomando como referência o castelo de Guimarães, em Portugal.

Ar fresco que cura

A Igreja de Santo Antônio, fica no ponto mais alto da cidade, localizada a uma altitude média de 920 metros. Desde a metade do século passado, acreditava-se que o ar fresco e puro das montanhas era o melhor tratamento contra a tuberculose. Por isso, em função do clima, entre 1920 e 1930 Botucatu recebia doentes em tratamento de tuberculose. A hospedagem era realizada aos pés da Igreja, por conta da altitude.

Foto: Mundo Logout

Milagres

Por volta de 1900, o italiano Archangelo Frederico, subia o morro todas as noites para acender uma lamparina, agradecendo a Santo Antônio por uma promessa alcançada: a esposa de Frederico havia se curado de uma grave doença. Em 1923, o italiano acabou falecendo, mas algo misterioso aconteceu na noite de sua morte: a luz da lamparina que ele acendia todas as noites, acendeu sozinha no topo do morro. A história ganhou repercussão dos moradores, que fizeram daquele local, um lugar sagrado, e foram os próprios moradores que abriram as trilhas, dando inicio a construção da Igreja de Santo Antônio.

12 curiosidades sobre a Igreja de Santo Antônio, em Rubião Jr. - Solutudo
A pequena capela onde se encontra a imagem de Santo Antônio, à frente da igreja, é o ponto exato onde Frederico acendia a lamparina todas as noites.

Construção

Devido à complexidade do terreno e dificuldades inerentes à época, a construção da igreja de Santo Antônio durou oito anos. Para construir a igreja foi necessário explodir com dinamites o topo do morro. Esse foi um importante processo utilizado para preparar o local para a obra e tornar o terreno plano. A igreja foi inaugurada, no dia 13 de junho de 1932, Dia de Santo Antônio, com uma grande festa da população. A comemoração acontece até hoje e faz parte da tradição da cidade.

Procissão de Santo Antônio, onde os fiéis caminhavam para a igreja, localizada no alto do morro

Vulcão

Essa é bem conhecida: alguns antigos moradores da cidade, contavam que a Igreja foi construída sobre um vulcão que poderia acordar a qualquer momento. Mas essa história não passa de um mito. Na verdade, o local é apenas um morro.

Foto: Blog do Delmanto

E você? Conhece mais alguma curiosidade sobre a Igrejinha de Rubião? Manda pra gente!


Gostou desse conteúdo? Deixe seu comentário no campo abaixo! E se você conhece alguma história bacana de Botucatu e quer que ela seja contada aqui, entre em contato pelo e-mail: bianca.camargo@solutudo.com.br


Esse conteúdo é um oferecimento da Proeste, empresa referência no segmento automotivo e que apoia as boas notícias em Botucatu.

4 COMENTÁRIOS

    • Fiquei curioso. Sua avózinha me deixou atordoado. Dizia ela que a igrejinha era uma “fumarola”. no meu Larousse não consta esse termo. Qual seria o significado?

  1. Eu nasci em Botucatu.
    Quando era criança, eu e varias amiguinhas e amiguinhos, íamos ate a igrejinha de bicicleta…
    E , sentados em um pedaco de papelão , descia morro abaixo escorregando na grama…
    Lembrancas maravilhosas…
    😍❤

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor insira o seu nome aqui